Pular para o conteúdo principal

Apelo - Drummond em defesa de Nara Leão

     A fama de tímido erguia em torno do poeta uma muralha que nem celebridades confessadamente admiradas pelo próprio Drummond ousavam transpor. 
     Nara Leão viu uma vez Drummond  andando pela rua, em Ipanema. “Não tive coragem de falar com ele. Fiquei encabulada. Fico com uma certa taquicardia ao lembrar”, confessa. Nara Leão tinha todos os motivos para, pelo menos uma vez, falar com Carlos Drummond pessoalmente. Antes, com lágrimas nos olhos, ela já dera um telefonema  de agradecimento a um gesto de solidariedade que Drummond lhe prestara.   
     Numa entrevista dada por telefone a um repórter de jornal, em 1965, no início de um governo fardado  que terminaria se estendendo por duas décadas, Nara pedia aos militares que entregasse o poder aos civis. 
     As manchetes de jornais alardeavam, numa época em que os censores ainda não tinham desembarcado nas redações: “Nara é de opinião: esse Exército não vale nada”; “Nara pode ser presa mas não muda de opinião”; “Nara: sou contra militar no poder”; “Entrevista abalou os alicerces do Exército Nacional”; “Considero os exércitos, no plural, desnecessários e prepotentes”; “Meu violão é a única arma que tenho; meu campo de guerra é o palco.”
     Ameaçada de prisão,Nara Leão recebeu, pelo jornal, a solidariedade de Carlos Drummond de Andrade, através  de um poema de circunstância chamado Apelo. (Dossiê Drummond-Geneton Moraes Neto)

 

 “Meu honrado marechal
Dirigente da nação
Venho fazer-lhe um apelo
Não prenda Nara Leão

Soube que a Guerra, por conta,
Lhe quer dar uma lição. Vai enquadrá-la
– esta é forte –
Artigo tal... não sei não

A menina disse coisas
De causar estremeção?
Pois a voz de uma garota
Abala a revolução?

Nara quis separar
O civil do capitão
Em nossa ordem social
Lançar desagregação?

Será que ela tem na fala,
Mais do que charme, canhão?
Ou pensam que, pelo nome,
Em vez de Nara, é leão?

Se o general Costa e Silva,
Já nosso meio-chefão
Tem pinta de boa praça,
Porque tal irritação?

Ou foi alguém que, do contra,
Quis criar amolação
A seu
Artur, inventando

Este caso sem razão?
Que disse a mocinha, enfim,
De inspirado pelo cão?
Que é pela paz e amor
E contra a destruição?

E, depois, se não há preso,
Político na ocasião,
Por que fazer da menina
Uma única exceção?

Ah, marechal, compre um disco
De Nara, tão doce, tão
Meigamente brasileira,
E remeta ao escalão;
 
Ao ouvir o que ela canta
E penetra o coração,
O que é música de embalo
Em meio a tanta aflição.

O gabinete zangado
Que fez um tarantantão,
Denunciando Narinha,
Mudava de opinião.

De música precisamos
Para pegar o rojão,
Para viver e sorrir,
Que não está mole não.

Nara é pássaro, sabia?
E nem adianta prisão
Para a voz que pelos ares,
Espalha sua canção.

Meu ilustre general,
Dirigente da nação,
Não deixe, nem de brinquedo,
Que prendam Nara Leão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe É Quem Fica, Bruna Estrela

           Mãe é quem fica. Depois que todos vão. Depois que a luz apaga. Depois que todos dormem. Mãe fica.      Às vezes não fica em presença física. Mas mãe sempre fica. Uma vez que você tenha um filho, nunca mais seu coração estará inteiramente onde você estiver. Uma parte sempre fica.      Fica neles. Se eles comeram. Se dormiram na hora certa. Se brincaram como deveriam. Se a professora da escola é gentil. Se o amiguinho parou de bater. Se o pai lembrou de dar o remédio.      Mãe fica. Fica entalada no escorregador do espaço kids, pra brincar com a cria. Fica espremida no canto da cama de madrugada pra se certificar que a tosse melhorou. Fica com o resto da comida do filho, pra não perder mais tempo cozinhando.      É quando a gente fica que nasce a mãe. Na presença inteira. No olhar atento. Nos braços que embalam. No colo que acolhe.      Mãe é quem fica. Quando o chão some sob os pés. Quando todo mundo vai embora.      Quando as certezas se desfazem. Mãe

Nota de agradecimento, Newton Moreno

Todo dia acordo achando que estou morto. Condômino de um limbo com a parcela atrasada, verificando se ainda produzo sombra, se o coração ainda é música, batendo cartão na mesma dúvida: já é luto ou ainda estamos no páreo? E uma das primeiras notícias que ouço é que astronautas não querem mais voltar ao planeta. Levanto-me, dirigindo a carcaça obesa pelos quartos do meu jazigo. A casa é uma zona zero, uma alfândega, uma sala de espera da polícia federal pré-celestial. Não sei mais a que mundo pertenço. Hoje sou fronteira, hoje sei o que é ser refugiado. Sinto o gosto do sal marinho que salpica para dentro da minha balsa. Lágrimas, náufragos… Já organizei testamentos distribuindo posses. Posses que me ajudam a estudar meus afetos. Posses definem afetos? Mas as coisas da casa me parecem tão mortas… Coisas podem morrer? Um apartamento, cemitério de objetos. Tem dias que danço mais, tem dias que rezo mais… Todos os dias como mais, e sonho tanto! Sonho pra rever, as vezes

O Gato Vaidoso, Monteiro Lobato

     Moravam na mesma casa dois gatos iguaizinhos no pêlo mas desiguais na sorte.      Um, amimado pela dona, dormia em almofadões. Outro, no borralho. Um passava a leite e comia em colo. O outro, por feliz, se dava com as espinhas de peixe do lixo.      Certa vez, cruzaram-se no telhado e o bichano de luxo arrepiou-se todo, dizendo:     – Passa ao largo, vagabundo! Não vês que és pobre e eu sou rico? Que és gato de cozinha e eu sou gato de salão? Respeita-me, pois, e passa ao largo…      – Alto lá, senhor orgulhoso! Lembra-te de que somos irmãos, criados no mesmo ninho.