Pular para o conteúdo principal

Um Conto Quase Roteiro, Regina Porto


     Conheci aqueles dois. Ele recém-chegado aos cinquenta, ela pouco mais que isso, viveram uma história de amor que bem poderia ser levada ao cinema.
     Vânia tinha o olhar pidão, ele exalava  ternura e safadeza.
Esperavam um produtor que juntasse esses ingredientes numa comédia romântica fadada a grande bilheteria. Não deu tempo. O acaso chegou primeiro e, viveram uma paixão. 
     Adolescente no começo, mas com o roteiro necessário da afinidade, sensualidade adulta, experiência mútua, chegaram ao amor maduro.
     Beleza de cenas, tomadas, trilha sonora. Às vezes dublaram, eles mesmos, em espanhol. 

     Vânia e ele já atuavam, dirigiam-se, e mudavam o roteiro. Eram os donos das cenas e, garantiam plateia vivendo, na tela e na vida, uma história real, mas que poderia ser de cinema.      Impedimentos? Sim, claro. Sem contraponto o filme fica monótono. Um deles era casado. O outro, como no filme Escrito Nas Estrelas *, iria casar dentro em breve. 
     Fazer o quê? Nem tudo é cinema. 
     Ou será que é?
   Bem, o que sei é que brigaram, mentiram, se perdoaram, juraram, cumpriram.   Viveram. E... Nossa! Viveram intensamente.
     Apaixonados que estavam e envolvidos nas próprias cenas, não sabiam mais terminar o filme. 

     Então, sentados na praça, cenário da próxima tomada, decidiram, apenas pelo olhar,  dar-se  as costas. Nada mais disseram, deixaram ou levaram. Somente, “Veinte Años", instrumental, para que o espectador não se frustrasse.
     Outro dia, sentada na praça que serviu de modelo para o filme, encontrei, abandonado num banco, um exemplar usado do livro “O Sol Também se Levanta”, de E. Hemingway.   Estava lacrado e eu abri. Dentro, encontrei um recado: “Não fizemos a cena final: Volte! A gente se ama”.
      Surpresa procurei com os olhos o possível remetente. Praça vazia. Volto a lacrar o livro e deixá-lo onde encontrei.
     Quem sabe, um dia, e, novamente como no filme “Escrito nas Estrelas” o recado não chegue, pelas mãos do acaso, ao destinatário?

   Roteiristas, personagens e, principalmente, protagonistas de uma grande paixão, merecem um belo final. E eu estarei também no elenco do filme. 


Título original:Serependity -Dir. Peter Chelsom - Lançamento no Brasil: 2002

Comentários

  1. UAU!!!!!!!!!!Em caixa alta mesmo. Para ser bem gritado. UAU!

    ResponderExcluir
  2. Poxa! Dez! E o gostoso é perceber em textos assim como o mundo da comunidade Errante construiu casa dentro da gente, melhor dizer aldeia, é um mundo grande. Já fazemos parte disso, já aparece em nossas ações, nos gestos, nas palavras...
    Cada vez me impressiono mais ao ver como uma idéia acaba fazendo parte da nossa biografia.

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso!
    Delícia de texto.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo texto curto, sensível e emocionante.
    Cristiane Rose.

    ResponderExcluir
  5. Menina, que é isso? Muito fofo seu texto. Engoli e digeri num piscar de olhos. Foi como ler uma poesia melodiosa e intensa. Continue se aventurando e não nos prive de suas letras musicais. Cantarole sempre!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.