Pular para o conteúdo principal

Asas da Sabedoria







Asas da SabedoriaLígia Guedes


Conta a lenda que em uma terra nem tão distante assim, vivia o povo mais criativo, feliz e inteligente que possa ter existido entre todos os reinados. Fato este motivado pela escolha de se manter de mãos dadas a inteligência e criatividade, verdadeiras “asas da imaginação”.

Previsto que tais notícias logo chegaram aos reinos distantes onde a priorização da inteligência como única forma de caminhada está a pautar a agenda íntima desses seres onde o orgulho assume as trilhas a serem percorridas.

Consumado, ainda, que foi encaminhado um mensageiro ao reinado criativo, informando que deveriam entregar aos reinos distantes, as preciosas fontes de criatividade que continham a sabedoria deste povo. Tal como anunciado, foi cumpriu o prometido e naquela turva manhã foram recolhidos os preciosos mecanismos de sabedoria viva a razão humana.

Passaram-se séculos e ficou esquecido este criativo povo por se pensar finda a sabedoria em seu reino.

O que nunca se soube, conta a lenda, é se os livros deste sábio e criativo reinado sitiado, literalmente ‘voaram’ mundo afora, ou foram os nobres integrantes desta terra que lhe deram asas. Agora são como anjos que vivem espalhados por toda a parte em que possam estar (praças, ruas, meios de transporte), onde as estantes, bibliotecas, cheias ou vazias, serão apenas como um doce lar a retornar após uma longa e feliz viagem.

São as próprias “Asas da Sabedoria” que os conduzem, literalmente, de mãos em mãos, ininterruptamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?