Pular para o conteúdo principal

O Que Aprendi Em: Amor e Memória livro de Ayelet Waldman

Cada livro lido gera uma série de anotações para onde depois volto e analiso. Procuro no mapa as cidades citadas, palavras novas ou noutro idioma, rituais, objetos, pessoas citadas, fatos... cada livro me deixa um aprendizado além do prazer da leitura em si. É como um bônus. Considerando assim, achei por bem compartilhar aqui no blog os "bônus"  que recebi de cada livro.  Começo com:

Amor de Memória
, Ayelet Waldman
Ed. Casa da Palavra - 2014


Um deslumbrante medalhão e três homens: um capitão de infantaria americano; um israelense negociador de obras de arte roubadas pelos nazistas; um psiquiatra pioneiro de Budapeste do fim do século XIX. Suas vidas pacatas são viradas de cabeça para baixo por três mulheres fortes e independentes. Uma história de personagens brilhantes, Amor e memória é um belíssimo romance de Ayelet Waldman: uma obra ricamente detalhada que levanta questões difíceis sobre o valor das coisas preciosas num momento em que a própria vida parece sem valor, e sobre as correntes invisíveis que nos prendem aos sofrimentos e às paixões do passado. (Ed. LeYa)



"A estrada que levava ao campo Muellen estava ladeada por lápides gigantescas. Sem refinamento e cortadas habilidosamente a partir de papelão e compensado, nelas  liam-se, com caracteres festivos, as datas de nascimento e morte de Adolf Hitler. Nas paredes das casernas tinham sido pendurados pôsteres pintados representando o Fuher falecido em poses deformadas, alguma caricaturas beirando o obsceno. Efígies empalhadas, reconhecíveis pelos bigodes feitos de pelos de escova, pendiam  amarradas pelos tornozelos ou pelo pescoço em cada poste de luz. Um garoto de uns 10 anos estava parado em frente à fogueira improvisada, na qual ardia uma chama pequena, porém vívida.  O garoto segurava um livro e oferecia aos  passantes a oportunidade de arrancar uma de suas páginas e atirar ao fogo. Jack  ficou observando um homem que esfregou uma página na parte de trás da calça, de cima para baixo, antes da amassá-la e jogá-la às chamas. O garoto se curvou de tanto rir e teve de enxugar as lágrimas dos olhos. (...)  - Olha aqui! - disse , em inglês, virando o exemplar de modo que Jack pudesse ver a capa, com o título em letras pretas: Mein  Kampf. - Você não quer limpar a bunda com o livro do Hamã?
        - Hitler é o Hamã? - perguntou Jack
        - Hitler é o maior Hamã de todos." (pág,130)

Sobre Hamã  e sobre Purim

Hamã: Está no Antigo Testamento no livro de  Ester. Era um ministro do rei Assuero da Pérsia e quis exterminar o povo judeu que ficara sob tal domínio após a queda da Babilônia.   
O Que aconteceu: Hamã, vendo que Mardoqueu não se inclinava, não se prostrava diante dele ficou enfurecido e  decidiu vigar-se contra seu povo, os judeus, e matar Mardoqueu. Isso não aconteceu
 por interferência de Ester.  O rei manda Hamã para a forca. 
O que é Purim: Festa judaica em comemoração à salvação do povo judeu na antiga Pérsia da trama de Hamã.   Leia aqui, a história resumida.  Apalavra Purim significa sorteios.
 
No inverno a viagem é arriscada. O Reuven não gosta quando eu digo isso, mas ele não tem força suficiente para encarar o trajeto. Acho que ele precisa esperar a até a primavera - comentou Illona.
- eles dizem que vai ser cada vez mais difícil  cruzar os Alpes. (...) Ninguém sabe até quando a estrada a partir de Salzburg continuará aberta. ( pág. 143)

Sobre Salzburg e sobre os Alpes ( pág.143)

Salzburg: cidade austríaca de 153.000 hab.  na fronteira com a Alemanha
Alpes: (ou maciço Alpino) é uma cadeia de montanhas que se estende por 9 países da Europa: Áustria, Eslovênia, Hungria, Itália, Suíça, Liechtenstein, Alemanha, França e Mônaco.

"... - Tenho. Pelo menos, sei que a dona dele era húngara. De um lugar chamado Nagyvárad, que acho que hoje em dia se chama Oradea, fica na Romênia, bem na fronteira com a Hungria, mas fazia parte da Hungria na época."(pág. 170)

 Sobre Nagyvárad 

Oredea ( antiga Nagyvárad) Uma das mais prósperas cidades da Romênia,  tem pouco mais de 150 mil habitantes  e é capital do distrito de Bihor. 

Imagem: Hotel Vulturul Negru












"...O artista se chamava Vidor Komlós. Tenho certeza de que você nunca ouviu falar dele.  - É, tem razão.  - As obras dele se perderam depois da guerra. Komlós era amigo de  Laszló Moholy-Nagy, grande artista da Bauhaus, que tirou uma foto do quadro."(pág. 171)

Sobre Laszló Moholy-Nagy

Artista húngaro (1895 - 1946) bem como professor na escola Bauhaus. Ele foi altamente influenciado pelo construtivismo e um forte defensor da integração da tecnologia e da indústria nas artes. Tem trabalhos em pintura, desenho, fotografia, colagem, escultura. Criou da Escola de Design de Chicago, que hoje integra o  Illinois Institute of Technology.



Ao lado:  A Grande Máquina da Emoção. 1920









- Você comentou que seu avô esteve em Salzburg com o exército americano.
- Isso
-E foi lá que ele conseguiu o colar.
-Certo.
- Então ele pegou o colar do Trem de Ouro (pág. 173)

Sobre o Trem de Ouro:


Consistia de cerca de 24 vagões de carga contendo posses pessoais roubadas ou de outra forma tiradas de judeus húngaros durante a Segunda Guerra Mundial pelo regime nazista e o governo colaboracionista húngaro. O trem caiu sob a custódia do exército americano na Áustria no final da Guerra. A ação judicial alega que os Estados Unidos foram negligentes no tratamento do conteúdo do trem, mas os Estados Unidos negam qualquer responsabilidade legal no tratamento da propriedade que estava no Trem de Ouro Húngaro.
Como parte do Acordo, o governo americano concordou em pagar até 25,5 milhões de dólares, dos quais cerca de 21 milhões serão usados para financiar projetos de assistência social em benefício dos membros da classe portadores de direitos. Um plano proposto para a divisão dos fundos será desenvolvido pela Conferência sobre Demandas Judias Materiais contra a Alemanha, em consulta com advogados envolvidos na ação de classe, agências de assistência social apropriadas e Membros
da Classe, e submetido ao Tribunal para aprovação.
Se o acordo for aprovado em definitivo, as vítimas judias húngaras do nazismo poderão receber
assistência de agências judias de assistência social. O Acordo não proporciona pagamentos diretos a Membros da Classe como compensação por propriedade perdida no Trem de Ouro Húngaro.
O governo americano pagará outro meio milhão de dólares para criar um arquivo de documentos e materiais relacionados com o Trem de Ouro Húngaro e o saque da comunidade judaica húngara. Os arquivos estarão abertos para pesquisa acadêmica, fins educacionais, uso dos Membros da Classe e em benefício das gerações futuras.
Além disso, o governo americano declarou que no melhor de seu conhecimento, todos os documentos relacionados com o Trem de Ouro foram desclassificados. Se o governo encontrar que existem documentos que não foram desclassificados, ele estudará o caso para determinar se podem ser
desclassificados. Se o acordo for finalmente aprovado, os Estados Unidos publicarão uma declaração de reconhecimento sobre os eventos relacionados com o Trem de Ouro. (JusBrasil)

" Por exemplo, a venda do retrato de Adele Bloch-Bauer pintado por Gustav Klimt... "(pág.176)


Sobre o retrato de Adele  e sobre Gustav Klimt: chama-se a Dama Dourada a tela do famoso pintor austríaco e se encontra  no Neue Galerie de Nova York.  Leia aqui sobre o quadro. 

Gustav Klint: Austríaco (1862-1918): pintor mais importante do simbolismo austríaco. Leia sobre ele aqui

Eu conhecia o nome do pintor e também obras com predomínio do dourado, mas não fazia a conexão das obras com o autor. Agora aprendi que essas que memorizei são de Gustav Klimt na sua fase dourada. 

Ah, existe um filme: A Dama Dourada, história romanceada desse trabalho.


"... Pétér Elek tinha cabelos prateados e longos e penteava-os para trás a partir da testa alta. O comprimento passava do colarinho. O bigode e a barba terminavam em pontas destacadas, típicas dos cavaleiros hussardos."( pág. 179)

Sobre Hussardos:


Soldados pertencentes à cavalaria ligeira, na França e na Alemanha, de apresentação semelhante à cavalaria húngara do sec. XV. Cavaleiro húngaro.  
A palavra Hussardo vem do húngaro "huszár que significa vigésimo.
Imagem ao lado mostra hussardos  de diferentes países.




"... Eu me lembro de uma foto... Eu devia ter uns 11 ou 12 anos quando vi pela primeira vez, um pouco antes de meu bat-mitzvá. "( pág. 195)

Sobre Bat-mitzvá:

(filha do novo mandamento), acontece na época em que começa a puberdade. Bat-Mitzvá aos 12 anos para as meninas e Bar-mitzvá para os meninos. Na cerimônia a jovem caminha pela sinagoga lendo a Torá e espalhando a palavra a todos, incentivando a transmissão de conhecimento. em seguida o pai recita uma prece agradecendo a Deus por sua filha estar crescida e entrega à ela suas responsabilidades.




Torta Dobos (pág. 292) Ou Dobosh é um pão-de-ló húngaro coberto com creme de manreiga e coberto de chocolate. A massa em camadas tem o nome do inventor, o chef húngaro József C. Dobos, dino de uma delicatessen em Budapeste.

O Papel de Parede Amarelo, ( pág.293)livro de  Charlotte Perkins Gilman - já li e recomendo.



 

Comentários

  1. São mesmo. Acabo de ver que recebi informativo turístico sobre a cidade de Oradea! Isso porque pesquisei para fazer a postagem o algorítimo já pensa que quero ir pra lá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe É Quem Fica, Bruna Estrela

           Mãe é quem fica. Depois que todos vão. Depois que a luz apaga. Depois que todos dormem. Mãe fica.      Às vezes não fica em presença física. Mas mãe sempre fica. Uma vez que você tenha um filho, nunca mais seu coração estará inteiramente onde você estiver. Uma parte sempre fica.      Fica neles. Se eles comeram. Se dormiram na hora certa. Se brincaram como deveriam. Se a professora da escola é gentil. Se o amiguinho parou de bater. Se o pai lembrou de dar o remédio.      Mãe fica. Fica entalada no escorregador do espaço kids, pra brincar com a cria. Fica espremida no canto da cama de madrugada pra se certificar que a tosse melhorou. Fica com o resto da comida do filho, pra não perder mais tempo cozinhando.      É quando a gente fica que nasce a mãe. Na presença inteira. No olhar atento. Nos braços que embalam. No colo que acolhe.      Mãe é quem fica. Quando o chão some sob os pés. Quando todo mundo vai embora.      Quando as certezas se desfazem. Mãe

Tempestade,Alexis Valdés

E se amansem as estradas E sejamos sobreviventes de um naufrágio coletivo. Com o coração choroso e o destino abençoado Vamos nos sentir bem-aventurados Tão só por estar vivo. E nós lhe daremos um abraço ao primeiro desconhecido elogiaremos a sorte de manter um amigo. E aí nós lembraremos Tudo aquilo que perdemos e de uma vez aprenderemos tudo o que não aprendemos. Não teremos mais inveja pois todos sofreram. Não teremos mais desidia Seremos mais compassivos. Valerá mais o que é de todos Que eu nunca consegui Seremos mais generosos E muito mais comprometidos Nós entenderemos o frágil O que significa estar vivo? Vamos suar empatia por quem está e quem se foi. Sentiremos falta do velho que pedia peso no mercado, que nós não soubemos o nome dele e sempre esteve ao seu lado. E talvez o velho pobre Era Deus disfarçado. Você nunca perguntou o nome Porque você estava com pressa. E tudo será milagre E tudo será um legado E a vida será respeitada. A vida que vencemos. Quando a tempestade passar

Meias, Antonio Prata

       A gente sempre pensa que a mudança virá de grandes resoluções: parar de fumar, pedir demissão, declarar-se à Regininha do comercial. Às vezes, contudo, são as pequenas atitudes que alteram definitivamente o rumo de nossa vida. Ontem, por exemplo, pela primeira vez desde que me conheço por gente, saí pra comprar meias. Sou um novo homem.      O leitor pode achar que estou exagerando. É que não teve o desprazer de conhecer a minha gaveta de meias até vinte e quatro horas atrás. Mais parecia um saloon de Velho Oeste: poucos pares estropiados em meio a pés desconjuntados – tenazes sobreviventes de diferentes etapas de minha vida.      As três brancas, de algodão, haviam sido ganhas na compra de um tênis de corrida, lá por 98. A marca da loja, escrita no elástico esgarçado, já quase não se lia. Pior que as brancas   estavam as azuis, da Varig, do tempo em que a ponte aérea   era feita pelos Electras e as aeromoças davam brindes, não broncas.   Os pés da meia azul não tinham cur