Pular para o conteúdo principal

Segunda-feira dos autores aniversariantes de Abril

Em abril aniversariam Monteiro Lobato,Manuel Bandeira e Augusto dos Anjos

Dia 18 de abril, é o dia nacional do Livro infantil, numa homenagem justíssima a Monteiro Lobato o aniversariante da data. Sobre o assunto, o blog já tem matéria postada. Ah. Lobato faria 131 anos.

Manuel Bandeira, de tão conhecido, a gente nem lembra que ele nasceu há 127 anos!! É o autor de um dos poemas mais conhecidos, Pasárgada. Falar nisso,  Onde fica Pasárgada?

Imagem do Google
Por fim chego em    Augusto os Anjos, o dono do dia 20. O paraibano, conhecido por explorar os temas morte e termos científicos, pode ser pesquisado aqui.
Abaixo um poema do livro Eu,  com a grafia usada por Augusto dos Anjos em 1912.

Psicologia de um Vencido

Eu, filho do carbono e do ammoniaco
Soffro, desde a epigénesis da infancia
A influencia má dos signos do zodiaco.

Profundissimamente hypocondríaco
Sobe-me á bocca uma ancia análoga á ancia
Que se escapa da bocca de um cardíaco.

Já o verme - esse operário das ruinas -
Que o sangue  podre das carnificinas
Come, e a vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabellos,
Na frialdade inorgânica da terra.




Venho postando textos originais para que os mais jovens vejam como se escrevia antigamente e compreendam  que nossa língua (como as demais) muda com o passar dos anos. As mudanças são permanentes porque a língua é algo vivo. Evolui e modifica-se acompanhando todas as influências de seus falantes.

Comentários

  1. Marta, retirei a postagem pq. vc pediu, mas não me incomodo de ser corrigida, nem de expor a correção. Gosto disso. Manuel Bandeira nasceu em 1886 e eu envelheci o poeta. Agradeço de coração a sua postagem. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Regina parabéns! Seu blog é sempre um grande divulgador do melhor da literatura e seus autores. Pena que haja tão pouco apreço pela maioria de nossos poetas. A respeito de Augusto dos Anjos,gostei muito do livro "A Última Quimera", de autoria de Ana Miranda, que retrata a vida difícil do poeta, em forma de romance.
    Abraços
    Marilda

    ResponderExcluir
  3. Olá Marilda,
    Obrigada é sempre bom ler coisas assim.
    Alguns de nossos poetas mereciam mais atenção sim.
    Estou viajando para esperar um netinho. Qdo voltar falaremos desse livro A Última Quimera.
    beijo

    ResponderExcluir
  4. Eu li A última quimera, muito interessante.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.