Pular para o conteúdo principal

Eita Gota, uma viagem paraibana

Igreja da cidade de Monteiro PB
                                                                                                                             
     A distância aproximada de  304Km que separa as duas igrejas acima é percorrida por Efigênio Moura, em Eita Gota, uma viagem paraibana.  Tudo  começa com quando Das Neves vai pagar promessa na igreja da padroeira da Paraíba, levando  consigo o neto.   Depois de subir a ladeira que dá acesso à Basílica de Nossa Senhora das Neves e não ter podido mostrar o mar  a Netinho a avó, na rodoviária, contrata com Agripino a viagem  de volta. A partir do  embarque de Das Neves, Netinho e outros passageiros numa Veraneio 73 azulzinha começa a odisseia da volta à cidade de Monteiro, no Cariri. A distância entre as duas cidades se faz maior porque o  motorista não  tendo  documentos nem  dele nem do carro de motor flex (sabe o que é isso?): gasolina e botijão de gás de cozinha, precisa se desviar dos policiamentos  rodoviários.  Efigênio Moura , foi muito  feliz  na forma de separar os capítulos do livro; no uso da linguagem incorreta e usual dos personagens; na descrição da postura de cada passageiro  ante a chegada de mais um colega de saga, um  sacolejado da variante etc. A vida de cada um a partir do  silêncio que  ele fazia momentaneamente.  A viagem  descrita em Eita Gota! que  para olhos   capixabas ou  gaúchos possa parecer realismo  fantástico é total realidade para nordestinos de qualquer estado. Bem  humorado, didático e poético o livro  agrada e deixa o leitor com uma ponta de carinho  pelo lugar. Qual lugar? O Cariri. Pensou na Veraneio 73? eita gota! 
Eita Gota, uma viagem paraibana
Efigênio  Moura
Editora da  UFPB
Páginas: 213
Livro disponível no site Estante Virtual

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.