quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Dia do Cordelista -



Sobre Jota Borges o mais conhecido cordelista do Nordeste:

Xilogravurista e poeta de Cordel, José Francisco Borges (o Jota Borges) nasceu em Bezerros, em 1935.
Freqüentou apenas o curso primário e, em 1956, começou a vender folhetos (de outros autores) nas feiras-livres do interior pernambucano. Gostou daquele tipo de literatura e passou a imitar os poetas, tendo seu primeiro folheto contado a disputa de dois vaqueiros por uma donzela.
Depois, passaria a fazer, também, as xilogravuras para ilustrar as capas dos folhetos.
Considerado um dos melhores gravadores populares do Nordeste brasileiro, já expôs seus trabalhos em países como USA, Suíça, Alemanha, Venezuela e México. Em 1970, escreveu o texto "A Feira" para um show e um disco do Quinteto Violado.
Em 1994, lecionou gravura, como convidado, na Universidade do Novo México. É autor de dezenas de xilogravuras que ilustram o livro "As Palavras Andantes", do escritor uruguaio Eduardo Galeano, publicado em 1994.
Foi, ainda, agricultor, carpinteiro, pedreiro e pintor de parede. Em 1975, produziu xilogravuras para a abertura da novela "Roque Santeiro",de Dias Gomes, que a TV Globo não exibiu porque foi censurada.
Apesar da fama, em 1997 enfrentava dificuldades financeiras para sobreviver, trabalhando num pequeno atelier em sua cidade, onde imprime seus folhetos em duas centenárias impressoras tipográficas.
Principais obras: "O Exemplo da Mulher que Vendeu o Cabelo e foi para o Inferno" (1967); "Domiciana e Rosete" (1968), entre outros.