Pular para o conteúdo principal

Corporiedade Feminina, Janete Barros


     Ainda assim, mesmo sem atingir a marca de um dia, capaz de delinear o valor de uma única mulher; a sensibilidade me aguça, por tabela.
Cada aperreio, grito de dor e injustiça, nos quatro cantos do mundo... arraiga e aflora .
Bendigo, pelos olhos da minha filha, da pele enrugada e costa arqueada da minha mãe, por todas as primas, sobrinhas, netas que tenho e ainda virão, tias estelares que já se foram (paternas e maternas).
Noras, Irmã sanguínea e irmãs de coração (são tantas), professoras amadas, mestras, doutoras, amigas discentes e docentes, escritoras, pedaleiras, rosas meninas (todo grão de mulher).
Das albinas, negras, índias... do dedo do pé até a raiz do cabelo, em nuances de cores; do preto retinto ao perolado dos fios.
Das usuárias de burcas às carecas abrilhantadas. Com lenços, tiaras, joias, turbantes milenares, penas, adereços diversos.
Mil anos luz de distância percorre os fios arredios dos teus saberes, do eu pensante, do pulsar de cada veia, da dor sangrenta, do coração latente, das sementes, das crias.
No leite que escorre em cada peito que alimenta.


Nas cicatrizes indeléveis e nos dias mais adocicados. Eu vos imploro; sede feliz!
Em batuques, em igrejas e templos de todos credos possíveis, na vivência concreta da palavra divina, em descrença pungente ou na busca eterna de um Deus!
Por Marias de todos os povos e etnias, por Omayra Sánchez, Anitas de todos projetos edificantes, por Verônicas de todos os coletivos freirianos, por Edites de todas as artes, por Célias camponesas, por Mônicas e Magalis, por tantas Raquel's (da política, negritude, didática e letras); por Iaras, mãe das águas e mães terrestres, por Elietes manauaras e cearenses, por livres Reginas; por Gertrudes bonequeiras e letradas, por cada mulher ainda no ventre materno e porquanto, ainda que vão nascer... antepassadas e descendentes da raça humana.
Sem o 8 de março doloroso da origem... sem comemoração específica e sem flores mudas e apáticas.
Dia de mulher é todo dia! E que estejamos prontas para os reparos... sem fim!
Mulheres de todas as repúblicas federativas, de todas as formas governamentais.
Proclamo em um grito unificado, que dia da mulher é todo dia! Sem rufos de tambores... AVANTE!

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.