Pular para o conteúdo principal

Quem é Filipa Melo ?


     Nascida em 1972 na cidade angolana de Silva Porto (atual localidade de Cuito), foi marionetista na série Rua Sésamo (Vila Sésamo, no Brasil).
   Em 1990, iniciou-se como jornalista colaborando com diversas publicações portuguesas e emissoras de televisão: revista semanal Visão, as revistas Grande Reportagem, Tabacaria, Ler e Egoísta, o suplemento Mil Folhas do jornal Público e os semanários O Independente, Expresso e Sol. 
     Pertenceu ao Conselho Deontológico e à Direção do Sindicato de Jornalistas. Recebeu uma Menção Honrosa como Prêmio Revelação, em 1994, pelo Clube de Jornalistas de Lisboa, e o Prêmio Nacional de Cultura Sampaio Bruno, pelo Clube de Jornalistas do Porto, em 1995.
     Em 2001, lançou
Este é o meu corpo, seu primeiro romance. Nesse ano Filipa Melo foi apontada como a grande revelação literária. O romance foi lançado em diversos países e traduzido para o espanhol, francês, italiano, grego, holandês e servo-croata. Os seus contos estão publicados em diversas publicações e antologias portuguesas e estrangeiras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?