Pular para o conteúdo principal

Velho Poema Infantil. Máximo de Moura Santos

Na minha infância, todas as crianças tinham cadernos escolares com a mesma capa. Era o tempo da escola primária, a cidade era São Bento do Una,o livro adotado se chamava Nordeste, tinha gravuras de Percy Lau e essa  poesia singela: 

Meu Doce Lar
Imagem do Facebook

Oh! meu querido
Sempre florido
Meu doce lar.
É uma casinha
Que está sozinha
Junto do mar.

Quando é bem cedo,
Pelo arvoredo
Que fica além,
mansa desliza
Suave brisa
que vai e vem.

O sol vem vindo
Então sorrindo
Corro ao pomar,
E satisfeito
Encho meu peito
De puro ar.

No quintalzinho
Meu papaizinho
Já está de pé,
E mamãezinha
Lá na cozinha
Faz o café

Disposta a mesa
Oh! que beleza!
Meditem só,
Neste deleite
Café com leite
E pão-de-ló.

É todo dia
Ai que alegria
No meu pomar,
Oh como é belo
O meu singelo
Meu doce lar.

Comentários

  1. Que maravilha! Conheci essa piesia ainda criança. Morava e estudava na zona rural. O livro, era esse mesmo: Nordeste. O ano era 1972.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Jeovani! Que bom encontrar um colega de livro Nordeste. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Que alegria lembro-me como fosse hoje na sala de aula lendo essa linda poesia do meu livro Nordeste lar doce lar eu nunca esqueci até hoje guardo na minha memória e no coração saudades dos melhores momentos da minha infância 👏😘🌹💖

    ResponderExcluir
  4. Eu sabia de cor qndo era criança! Que saudade ❤️

    ResponderExcluir
  5. Tenho saldade do meu tempo de crianca quando relembro ou leio este poema

    ResponderExcluir
  6. Que bom relembrar da infância, não é? Boa noite.

    ResponderExcluir
  7. Estudei neste livro. Hoje com 61 anos declamo para os meus netos. Tempos bons!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom rever a infância através de uma poesia, não? Boa nnoite

      Excluir
  8. Estudei neste livro.
    Que saudades! Esss poesia ficou marcada em minha mente e em meu ciração.
    Foi maravilhoso encontrar esse portal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe É Quem Fica, Bruna Estrela

           Mãe é quem fica. Depois que todos vão. Depois que a luz apaga. Depois que todos dormem. Mãe fica.      Às vezes não fica em presença física. Mas mãe sempre fica. Uma vez que você tenha um filho, nunca mais seu coração estará inteiramente onde você estiver. Uma parte sempre fica.      Fica neles. Se eles comeram. Se dormiram na hora certa. Se brincaram como deveriam. Se a professora da escola é gentil. Se o amiguinho parou de bater. Se o pai lembrou de dar o remédio.      Mãe fica. Fica entalada no escorregador do espaço kids, pra brincar com a cria. Fica espremida no canto da cama de madrugada pra se certificar que a tosse melhorou. Fica com o resto da comida do filho, pra não perder mais tempo cozinhando.      É quando a gente fica que nasce a mãe. Na presença inteira. No olhar atento. Nos braços que embalam. No colo que acolhe.      Mãe é quem fica. Quando o chão some sob os pés. Quando todo mundo vai embora.      Quando as certezas se desfazem. Mãe

Nota de agradecimento, Newton Moreno

Todo dia acordo achando que estou morto. Condômino de um limbo com a parcela atrasada, verificando se ainda produzo sombra, se o coração ainda é música, batendo cartão na mesma dúvida: já é luto ou ainda estamos no páreo? E uma das primeiras notícias que ouço é que astronautas não querem mais voltar ao planeta. Levanto-me, dirigindo a carcaça obesa pelos quartos do meu jazigo. A casa é uma zona zero, uma alfândega, uma sala de espera da polícia federal pré-celestial. Não sei mais a que mundo pertenço. Hoje sou fronteira, hoje sei o que é ser refugiado. Sinto o gosto do sal marinho que salpica para dentro da minha balsa. Lágrimas, náufragos… Já organizei testamentos distribuindo posses. Posses que me ajudam a estudar meus afetos. Posses definem afetos? Mas as coisas da casa me parecem tão mortas… Coisas podem morrer? Um apartamento, cemitério de objetos. Tem dias que danço mais, tem dias que rezo mais… Todos os dias como mais, e sonho tanto! Sonho pra rever, as vezes

O Gato Vaidoso, Monteiro Lobato

     Moravam na mesma casa dois gatos iguaizinhos no pêlo mas desiguais na sorte.      Um, amimado pela dona, dormia em almofadões. Outro, no borralho. Um passava a leite e comia em colo. O outro, por feliz, se dava com as espinhas de peixe do lixo.      Certa vez, cruzaram-se no telhado e o bichano de luxo arrepiou-se todo, dizendo:     – Passa ao largo, vagabundo! Não vês que és pobre e eu sou rico? Que és gato de cozinha e eu sou gato de salão? Respeita-me, pois, e passa ao largo…      – Alto lá, senhor orgulhoso! Lembra-te de que somos irmãos, criados no mesmo ninho.