sexta-feira, 9 de junho de 2017

Ruth Rocha para adultos:Dois Idiotas Sentados Cada Qual Em Seu Barril



     Ruth Rocha (1931-) escreveu um simpático livro mostrando a briga entre dois homens (Teimosinho e Mandão) que, mesmo estando cada um sentado num barril de pólvora e com uma vela acesa na mão,  ambos correndo exatamente o mesmo risco,  exigiam que o outro apagasse a vela para que ele não explodisse, mas não queriam apagar a própria para o outro não explodir. Depois, ainda sentados nos seus barris e ambos de vela na mão, eles brigam por causa da cor da camisa do outro. Sem, em momento algum, considerarem o barril e a vela como o real perigo para ambos, eles ainda pedem aos filhos que tragam as bombas guardadas em suas casas. São atendidos. Então, um deles espirra, o outro se assusta, derruba a vela e faz tudo explodir.


     Agora é a minha vez. (Quero imaginar como essa história escrita em 1983 pode nos ajudar a pensar o Brasil de hoje)

     Dividindo em partes iguais, coloquei no barril do Teimosinho e do Mandão o que temos visto no país desses idiotas desenhados por jaguar: Corrupção na Petrobras; Corrupção no BNDES; Inflação acumulada; IPCA de 4,08% (crescendo); Estiagem de 7 anos no NE seguida de enchentes com milhares de desabrigados; Enchente também no RS; 13,5 milhões de desempregados (IBGE); Centenas de obras paralisadas em diversos lugares e em todas as regiões. 

     Esses sete itens afetam muito cada um de nós individual e coletivamente.  Evidentemente, prejudicando mais quem é mais pobre. 

     Se a gente se detiver só a esses que citei,  já temos problemas impactantes no país inteiro, sem a menor exceção. São problemas grandes pela extensão, duração, difícil solução, e tudo quanto for de mais “ão” que a gente imaginar.

     Bem, juntei e misturei tudo. Dividi o bolo de problemas em partes exatamente iguais e coloquei metade no barril do Teimosinho e a outra metade no barril do Mandão da história de Ruth Rocha.  

     Fiquei olhando os dois, sentados cada qual em seu barril, ambos com uma vela na mão.  Brigando e teimando. Dando ordens. Alertando para o perigo da vela na mão do outro. Implicando com a cor da camisa e por causa dela, sim, por causa da cor da camisa, desprezando o conteúdo do barril. 

     A inflação de cada barril continua prejudicando os dois, mas a cor das camisas é que é o problema;

     O IPCA crescendo faz com que os dois possam comprar menos, mas a cor da camisa continua revoltando;

     Os desempregados continuam como estão e no meio deles filhos e amigos dos dois idiotas, mas a cor da camisa de um irrita o outro;

     As chuvas torrenciais no RS prejudicam a produção de alimentos incluindo, talvez, a produção da maçã que cada um come, mas a cor azul de uma camisa irrita o outro;

     Milhares de estudantes estão sem aulas porque desabrigados precisam de suas salas pra não serem levadas pelas águas dos rios que encheram demais, mas um teimosinho e um mandão continuam, e se esmeram nisso, insistindo em fechar os olhos a ponto de não verem suas velas queimarem o que realmente importa. 

     Ninguém chegou para dizer aos idiotas que, com o que eles têm dentro de seus barris, não há mais tempo para briga por camisa, por exemplo.  

     De minha parte, depois que reli o livro Dois Idiotas Sentados Cada Qual Em Seu Barril e estando absolutamente cansada de ativismo de Facebook, vou procurar com muito mais empenho o que realmente importa.  E, com certeza, o que me importa não é direita ou esquerda, coxinha ou mortadela.  É o barril de pólvora que eu e todos os brasileiros carregamos na mão.

Dois Idiotas Sentados Cada Qual Em Seu Barril
Ruth Rocha
Ilustração: Jaguar
Ano: 1983
Ed. Nova Fronteira