Pular para o conteúdo principal

A Droga Aniversariante: O Avesso dos Coroas, O Contrário dos Caretas.

                   Jovem, festejadíssimo ainda hoje, A Droga da Obediência completou 30 anos de sua primeira edição no mês de agosto.

 


Lançado em 1984 o livro traz uma história ambientada num colégio . Um grupo de colegas que vão se reunindo e acabam por se denominarem Os Karas, enfrentam uma trama internacional liderada pelo sinistro Dr. QI que pretende testar uma droga de submissão e obediência em adolescentes de colégios de São Paulo. A Droga da Obediência  seria, segundo o autor, um livro único. No entanto o sucesso da aventura foi tamanho, ele recebeu tantas correspondências pedindo por outras aventuras e foi tão perguntado e recebeu tantas sugestões dos jovens leitores que aceitou o desafio e escreveu mais  4 livros.  Os Karas, Miguel,Crânio, Chumbinho e  Magri ficaram definitivamente na vida de crianças e jovens. O grupo de amigos foi, por certo, quem incentivou muita gente a ler.  Pedro Bandeira, através d'Os Karas  descobriu como chegar ao ponto de interesse de leitura dos jovens.  
 



Encontrei, por acaso, um velho exemplar   do livro A Droga da Obediência, numa estante no meu local de trabalho. Curiosa, li em 2 intervalos de almoço. Achei interessantíssimo. Não conhecia Pedro Bandeira  e também nunca mais li nada do autor. Minha filha leu todos, escreveu e recebeu resposta do hoje maior vendedor de literatura adolescente do Brasil.



Ao lado a capa da última edição do aniversariante A Droga da Obediência.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.