Pular para o conteúdo principal

A Deus e ao Diabo Também, Rubem Braga

                       
Ela então me contou seus pecados; primeiro, o primeiro, quando  ainda era mocinha; depois o mais feio, que foi coisa que ela não queria, foi resistindo, mas você compreende, chegou a um ponto em que não dava  nais jeito. O pior é que nessa ocasião tinha um rapaz de quem ela gostava muito e queria ser fiel a ele; "foi sujeira", confessa, "foi sujeira minha"; mas a verdade é que a coisa veio devagar, foi aceitando presentes, depois não sabia o que seria mais vigarista: negar-se ou dar-se; aliás tinha uma simpatia sincera pelo sujeito; mas gostar mesmo era do outro. E  contou mais algumas coisas. Disse uma palavra feia a respeito de si mesma e pediu minha opinião:
     - Não é verdade? - me olhando nos olhos.
     Calei-me; ela insistiu, eu fiz uma evasiva meiga:
     - Você é um amor.
    Então, meu Deus, ela se pôs filosófica. Esticou o longo corpo no sofá, sustentou a cabeça com as mãos:
    - Esta vida...
    E disse coisas; mas sempre queria saber minha opinião. Que eu era um homem vivido, eu sabia das coisas, era um escritor. Ponderei que essas coisas quem sabe melhor é padre.; de preferência padre velho, que já ouviu muita história, sabe dar conselho. Disse que não; que padre, ela já sabe o que padre vai dizer, de maneira que não adianta; "não gosto de padres".
    - Mas você não é católica?
   Era, mas não gostava de padres Isto é, conheceu um padre que era formidável, aliás, era um frade. "Qual a diferença?" Dei uma reposta vaga, ela fez "ahn... " e virou-se, ergueu uma longa perna no ar, em um movimento perfeito: "Preciso voltar a fazer ballet, eu ando muito preguiçosa".
  Depois, com o olho triste, confessou que às vezes danava a pensar no futuro, tinha medo. Notei:
  - "Pensava no futuro e tinha medo." Isto é um verso de Augusto dos Anjos, você disse quase igual.
  Ficou encantada em ter dito uma coisa parecida com o verso de um poeta; pensei em dizer que ela fazia poesia como monsieur Jordan fazia prosa, mas a citação era muito trivial e, no caso, daria muito trabalho explicar. Agora ela estava deitada com as mãos atrás da cabeça (os seios quase sumiam) e erguendo as pernas fazia flexões de joelho, perfeitas.
    - Quanto livro você tem aí! Eu sou tão ignorante! Precisava ler muitos livros.
   Ergueu-se tirou um livro da estante. Era Soviet Economic Aid, de Berliner. Pegou outro, era O Fantasma da Inflação, de Humberto Bastos.
    Olhou as capas, comentou apenas:
    -Eu sou burra...
    - Porque você usa esse penteado assim?
   Então ela confessou que tinha a testa muito feia. aliás achava que tinha muitas coisas feias.
   - Eu sou cheia de complexos.
   Eu disse com severidade:
   -Você devia toda manhã agradecer a Deus, ajoelhada, tudo o que ele lhe deu.
    Ela riu, ensaiou uns passos de ballet, elevou no ar um pé nu:
   -A Deus ou ao Diabo?
   -Ao Diabo também.
   Sem interromper o exercício, ela me olhou de lado:
   -Você é gozado. 

(De: 200 Crônicas Escolhidas,Ed.Record 1975)
Ilustração: Óleo sobre tela de Irineu Alves- sem data.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?