quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Para degustação: O Que Vem Ao Caso, Inez Cabral

  
   Alguns meses depois da renúncia de Jânio Quadros, sai do Brasil aos treze anos, direto para Madri (onde sua mãe inventa de matriculá-la no balé) e, alguns meses depois, para Sevilha. Tem que aturar mais uma vez a educação que as meninas aristocratas (ela é a única plebeia do colégio) recebem na Espanha de Franco. São preparadas para, ao terminar os estudos, casar e obedecer ao marido ou ir para um convento, opção bem ressaltada nas aulas de religião. Segundo as madres, não é para qualquer uma, apenas as que merecem ouvirão o chamado  de Cristo. 

 
- Ufa! Ainda bem!
- Quem disse isso?
- Fui eu. É que eu já tenho outros planos.
- Tinha que ser você. Quem você acha que é para ter planos?
- Eu sou a Inez, que a senhora anotou no caderninho outro dia porque não disse "eu acho"antes de responder a uma pergunta.
- Você tem resposta para tudo, não é? Sabe mais do que todo mundo, não é isso?
- Claro que não, ma Mère. Geralmente não estudo e respondo errado. Mas meu pai diz que depois de um "eu acho" vem sempre uma bobagem. Acredito nele, não devia?
- Saia já da sala! Reze um terço na capela, para ver se a Virgem Maria ilumina um pouco essa cabeça de alfinete. Você tem que aprender que, depois de obedecer a suas professoras e seus pais, vai ter de obedecer a seu marido. Isso, claro, se algum rapaz de respeito se interessar por uma moca do seu gabarito.
-Também não tenho planos de me casar um dia,não nasci para obedecer a ninguém.
Na sala ouvem-se risadinhas discretas, o que enfurece a freira
- Vou marcar seu nome no caderninho outra vez.
-Eu ouço e obedeço, ma Mère. Mas, por favor, não esqueça que meu nome é com Z e sem acento.

Cabral, Inez. O Que Vem Ao Caso, Ed.Alfaguara, Rio de Janeiro 2018, pág.40 

Leia também: Literatura como turismo   O Auto do frade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...