Pular para o conteúdo principal

Pai Não Entende Nada, Luis Fernando Veríssimo

Um biquini novo?
- É, pai.
- Você comprou um no ano passado!
- Não serve mais, pai. Eu cresci.
- Como não serve?No ano passado você tinha 14 anos, este ano tem 15. Não cresceu tanto assim.
- Não serve, pai.
- Está bem, está bem. toma o dinheiro. Compra um biquini maior.
 - Maior não, pai. menor.
Aquele pai, também, não entendia nada.


Luis Fernando.Veríssimo
L&PM 1991






Comentários

  1. Caro desconhecido, o texto acima é uma crônica de humor.
    Se não se incomodar, sugiro:
    (https://centrodemidias.am.gov.br/dmdocuments/17F9LIP005P2.pdf)

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Lilian. Você quer saber em que livro a crônica está? Se sim, no livro do mesmo nome, editado pela LP&M em 1991.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia!Regina, gostaria de saber Onde e quando se desenvolve toda a cronica?

      Excluir
  3. Onde e quandose desenvolve toda a crónica?

    ResponderExcluir
  4. Por que o pai nao entendia nada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro(a) desconhecido(a), ele supõe que ela quer o biquini maior porque cresceu e justamente por isso ( ela se sente adulta) quer um biquini menor. só isso. Boa noite.

      Excluir
  5. Que sucinto! Quase um hy ky (é assim que escreve?)
    Adorei!
    O pai deve estar coçando a cabeça até hoje...

    ResponderExcluir
  6. A filha cresceu e se sente no direito de ousar... ou mesmo se adequar num biquine menor. Pronto!

    ResponderExcluir
  7. porque o pai nao entendia nada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque nem todo pai entende tudo. Porque nem tudo precisa estar bem explicadinho. Eu mesma não entendo porque muitos leitores não entenderam o humor irônico da crônica!!

      Excluir
  8. a partir do titulo, como podemos pensar na relação entre pais e filhos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Taí uma coisa que eu gostaria de saber! Como você acha que é essa relação?

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?