terça-feira, 2 de junho de 2009

Escritor não tem tempo para escrever?

Ernest Hemingway escrevendo
Em 2007 fiquei bastante desapontada porque Marçal Aquino, convidado, não viria à Bienal Internacional do livro de Pernambuco. O escritor informou que estaria em outro evento. Naquela época me perguntava se todo escritor também gostava de ler e o que Marçal estaria lendo caso gostasse. Havia conversado com um autor que me afirmara gostar de escrever e não de ler embora achasse e recomendasse a leitura para todos independente da profissão. Uns dias depois da Bienal de 2007, vi Marçal Aquino em duas entrevistas e minha pergunta mudou para como é que dá tempo de escrever um livro, se escritores precisam aparecer tanto? Ainda mais livro com título tão longo como Eu Receberia as Piores Notícias De Seus Lindos Lábios?? Chateada por não ter a chance de conseguir dedicatória no meu exemplar, esqueci o fato.
Agora, próximo à Bienal deste ano, me deparo com matéria do Estadão (Ubiratan Brasil) dando conta de que escritores não têm tempo para? Para? Escrever! Uau.
Ubiratan Brasil, autor da matéria, conversou com Cristóvão Tezza. Ignácio de Loyola Brandão e Luis Fernando Veríssimo. Todos eles cumprindo compromisso em são José dos Campos, no 2º Festival da Mantiqueira. Se os três dedicam-se a divulgar a literatura participando de tantos eventos, como têm tempo para escrever? E no caso de Luis Fernando Veríssimo que também é musico? Seu próximo livro, um policial, Espiões está esperando pelo autor para fazer os capítulos finais. Luis Fernando diz que gostaria de tocar mais se pudesse.
Cristóvão Tezza, principalmente depois de ganhar vários prêmios com O Filho Eterno (Record), ficou cheio de compromissos que precisa conciliar com sua carreira de professor na UFPR.
Ignácio de Loyola Brandão dedica-se à biografia de dona Ruth Cardoso e quer escrever outro infanto-juvenil, mas também está viajando para eventos vários levando na bagagem o seu “O Menino Que Vendia Palavras, infantil vencedor do Jabuti de 2008, categoria ficção.
Nós, leitores, esperando por suas preciosidades e eles sem tempo para o que gostam e melhor sabem fazer. Pode?
Me desculpa Marçal Aquino. Ah, mas ainda vou conseguir a dedicatória que queria.