Pular para o conteúdo principal

Futuro Longe, Marcelo Valença


Somos passado
Estilhaços de histórias
como pó de memória
revoada em fina névoa
ressoada na lembrança

Quisera meu futuro hoje fosse,
sobre que legados haveriam de pisar
meus descendentes?

Eis que somos, todos nós
apenas passado, algoz.
Feitos dos sonhos antepassados
Costurados
das suas honras servis
seus medos sutis
seus méritos pueris
seus atos vis

Tudo o que teimaram
embevecidos
em plantar raiz

Quisera eu fazer o mesmo — e quero
sobre que caminhos farei mansos
os passos dos meus descendentes?

Pois somos contudo futuro longe
Retalhos das nossas histórias
Enredos de vidas diárias
renovados na suave esperança
de quem deseja voltar a ser
assim
porvir

Conheça o autor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe É Quem Fica, Bruna Estrela

           Mãe é quem fica. Depois que todos vão. Depois que a luz apaga. Depois que todos dormem. Mãe fica.      Às vezes não fica em presença física. Mas mãe sempre fica. Uma vez que você tenha um filho, nunca mais seu coração estará inteiramente onde você estiver. Uma parte sempre fica.      Fica neles. Se eles comeram. Se dormiram na hora certa. Se brincaram como deveriam. Se a professora da escola é gentil. Se o amiguinho parou de bater. Se o pai lembrou de dar o remédio.      Mãe fica. Fica entalada no escorregador do espaço kids, pra brincar com a cria. Fica espremida no canto da cama de madrugada pra se certificar que a tosse melhorou. Fica com o resto da comida do filho, pra não perder mais tempo cozinhando.      É quando a gente fica que nasce a mãe. Na presença inteira. No olhar atento. Nos braços que embalam. No colo que acolhe.      Mãe é quem fica. Quando o chão some sob os pés. Quando todo mundo vai embora.      Quando as certezas se desfazem. Mãe

Nota de agradecimento, Newton Moreno

Todo dia acordo achando que estou morto. Condômino de um limbo com a parcela atrasada, verificando se ainda produzo sombra, se o coração ainda é música, batendo cartão na mesma dúvida: já é luto ou ainda estamos no páreo? E uma das primeiras notícias que ouço é que astronautas não querem mais voltar ao planeta. Levanto-me, dirigindo a carcaça obesa pelos quartos do meu jazigo. A casa é uma zona zero, uma alfândega, uma sala de espera da polícia federal pré-celestial. Não sei mais a que mundo pertenço. Hoje sou fronteira, hoje sei o que é ser refugiado. Sinto o gosto do sal marinho que salpica para dentro da minha balsa. Lágrimas, náufragos… Já organizei testamentos distribuindo posses. Posses que me ajudam a estudar meus afetos. Posses definem afetos? Mas as coisas da casa me parecem tão mortas… Coisas podem morrer? Um apartamento, cemitério de objetos. Tem dias que danço mais, tem dias que rezo mais… Todos os dias como mais, e sonho tanto! Sonho pra rever, as vezes

Meias, Antonio Prata

       A gente sempre pensa que a mudança virá de grandes resoluções: parar de fumar, pedir demissão, declarar-se à Regininha do comercial. Às vezes, contudo, são as pequenas atitudes que alteram definitivamente o rumo de nossa vida. Ontem, por exemplo, pela primeira vez desde que me conheço por gente, saí pra comprar meias. Sou um novo homem.      O leitor pode achar que estou exagerando. É que não teve o desprazer de conhecer a minha gaveta de meias até vinte e quatro horas atrás. Mais parecia um saloon de Velho Oeste: poucos pares estropiados em meio a pés desconjuntados – tenazes sobreviventes de diferentes etapas de minha vida.      As três brancas, de algodão, haviam sido ganhas na compra de um tênis de corrida, lá por 98. A marca da loja, escrita no elástico esgarçado, já quase não se lia. Pior que as brancas   estavam as azuis, da Varig, do tempo em que a ponte aérea   era feita pelos Electras e as aeromoças davam brindes, não broncas.   Os pés da meia azul não tinham cur