quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Entendo Tudo Errado Mas Na Maior Empolgação, Regina Porto


     
      Deixei de cantar. Não sei desde quando nem o porquê, mas aconteceu. Foi morar longe de mim a pessoa que cantarolava por horas e diariamente e em qualquer lugar.

      Afastou-se sem explicação e sem deixar nenhuma nota musical de lembrança. Levou, inclusive, os meus CDs. Corrijo: deixou os CDs mas levou meus ouvidos. Sem me entender tentei forçar o canto, a reaproximação com a música. Não vingou. Larguei de mão.
     Talvez noutra oportunidade minh'alma voltasse. Sem partitura, que não sei ler, sem instrumento porque não sei tocar nem caixinha de fósforos ou esquecendo as letras pra me deixar improvisar dizendo barbaridades. É. Talvez voltasse.
     Coração apaziguado com a ideia, me detive nas lembranças das desafinações, do meu gosto eclético, de que já não aprecio mais alguns cantores... De como me iniciei na audição de musica instrumental e erudita quando estudante da Unicap e de como gastei uns dias pedido à minha mãe para cantar uma música doce, romântica.. de um romantismo antigo... Da qual não lembrava nem um dó!
     - Fala "Julião" ! É fica difícil.
     - Fala de Julião!
     - Que Julião?
     - Da música! Sim, a musica de novo.
     - Não sei de nenhuma música com a palavra Julião, Regina.
     Eu esperando a memória ajudar e mamãe já rindo de mim há uns dois dias.
     Eu tinha umas hipóteses: ouvi numa novela. Mas, qual novela? Falava o nome Julião.    Não sabia quem cantava na novela nem originalmente. Era uma música muito antiga, disso tinha certeza. Falava num tempo ou data... Nada que ajudasse.
     Um dia, acordo com um trecho da música na ponta da língua e, antes que sumisse, procurei minha mãe:     - "Vinte e cinco anos/ vamos festejar Julião.." É assim a música. Você lembra, mamãe?
     Sim. Mamãe sabia a música inteira. Com a ponta do nariz vermelha de rir de mim e,
sem encontrar nenhum Julião, cantou afinadíssima Bodas de Prata, começando de onde eu indiquei:
     "Vinte cinco anos/ Vamos festejar DE UNIÃO/ e a felicidade continua em meu coração..." 

                                                                      *        
     Pensa que terminei? Pois sim...     Sou fã dos Beatles desde que ouvi Help pela primeira vez. Era recém chegada do interior, matuta e sem saber um segundo idioma. Roberto Carlos tinha lançado "E Que Tudo O Mais Vá Pro Inferno" que eu ouvia no rádio e cantava como, creio, que metade dos jovens da época. Era um sucesso incontestável.
      No Colégio Padre Félix, onde estudava, fiz amizade com Veronice, que mais urbana conhecia o grupo inglês e, seriamente ou não, detestava o rei Roberto. Me mostrou musica Help dizendo do que se tratava. Aprendi cantar uns trechinhos da canção e, por causa da colega, Help foi a primeira música em inglês cuja letra eu sabia do que falava. Cai de amores pelos Beatles. Passei por aquela época em que Renato e Seus Blue Caps gravava LP com versões em português das músicas dos 4fab.
      O grupo brasileiro, gravava na mesma ordem que os Beatles gravavam. Sucesso também claro! Ôoooo deixe essa boneca/ faça-me o favor/ deixe isso tudo/ vem brincar de amor/ de amor/ ê ê ê.. de amor..
      Só bem mais velha, porque meus filhos sabiam e cantavam, comecei a ouvir as versões originais. Nessa época, pela milésima vez fazendo curso de inglês, me deparo com problema clássico de quem começa na fase adulta: dificuldade de entender. Não me conformava. Conseguia ler mas não entendia com a mesma facilidade. Me dei uma receita: escutar e escutar. Obrigar meu cérebro a acostumar com a nova língua. Ajudou realmente.
      Empolgada e confiante (sou boa nisso), um dia procuro meus filhos pra dizer do progresso obtido com meu método pedagógico. Eu tinha entendido várias palavras de uma música dos Beatles! Eu entendera perfeitamente os Beatles dizerem "umbrella"!!
      Umbrella?
      Sim, claro! Umbrella! Iurúúú.. Lá saio eu certa de que estou arrasando. Os filhos me seguem dizendo não lembrarem dessa palavra em nenhuma das músicas do grupo de Liverpool. E eu empolgada e confiante porque sou boa nisso, insisto que tem sim e é numa das mais antigas.
      - Mãe, cante um pouquinho. Pode ser que tenha e a gente não lembre.
      - Láaaa.. lá lá lá..
      Pelo silêncio, notei de pronto que não tinha chuva nem a necessária sombrinha na canção sucesso no mundo inteiro. Era o jeito eu esperar que eles descobrissem de qual palavra ou frase eu tinha tirado aquela minha certeza já não tão certa. Afinal, errar é uma forma de aprender.
      Conhecedores da música e da língua que aprenderam na infância... Marcelo, pelo ouvido apurado, sugeriu:
      - Não seria I should have known better?
      Suzie, gentilíssima, sem querer tirar minha empolgação, confirma que cantando as palavras nunca ficam pronunciadas em detalhe e por isso eu juntei um trecho ou duas palavras ( knowm better)num único som que me pareceu "umbrella".
      Didáticos, os dois cantaram correta e lentamente a frase e lá se foi minha sombrinha fechada de vez. O pior é que sem querer fechei também a memória (também sou boa nisso) e ai nunca lembro o título da música.
      Agora mesmo, para escrever esse texto, enviei mensagem: Suzie, me diz de novo o título da música da umbrella. Obrigada.
___________________________________________________________________________

Seguem as músicas com os trechos citados. Para ouvir é só clicar.

Bodas de Prata
Roberto Martins e Mário Rossi - 1945
Vinte e cinco anos vamos festejar de união
E a felicidade continua em meu coração


I should have known better
Lennon/McCartney - 1964
should have known better
With a girl like you.