sábado, 17 de outubro de 2015

Javier Cercas vem para a Fliporto 2015

                                           Estou acabando de ler Soldados de Salamina, meu primeiro livro de Javier Cercas. Um fato real, a guerra civil da Espanha é o cenário da história de Sánchez Mazas, que realmente existiu. É sobre ele que um jornalista escreve. Quando, por fim, termina o livro, acha que ele não ficou bom e volta a seu trabalho num jornal. Nessa ocasião, conhece o escritor Roberto Bolaños que diz ter lido dois livros seus. O jornalista é o próprio Javier e os livros lidos por Bolaños existem realmente... Não vou falar mais. Recomendo a leitura de Soldados de Salamina       

Javier Cercas vem para Olinda em novembro. O escritor, deu essa pequena entrevista para o site da Fliporto.

Ah, não conheço os autores brasileiros que ele citou.


                                                                                                        

  Quem conta melhor uma mentira: um político ou um escritor? 

Se o escritor é um escritor de ficção e bom, o escritor de ficção. Cabe acrescentar que o escritor de ficção não só está autorizado, está obrigado a fazê-lo. 

Os irmãos Goncourt falaram da História como um romance verdadeiro. A história é uma ficção baseada na realidade? 

Não: se acaso a história é uma realidade baseada na ficção; mas não é uma ficção. Pode ser literatura, e da boa, mas não – repito – uma ficção. E quem diz que o é não sabe o que é uma ficção. Nem o que é a história. 

Quais são os autores brasileiros que Javier Cercas mais gosta de ler? 

Conheço mal a literatura brasileira, mas gosto de Machado de Assis e Guimarães Rosa. Entre os mais jovens, li Michel Laub e Daniel Galera; ambos me parecem muito bons.