sexta-feira, 10 de abril de 2015

Última página

    ... " Fui à praia depois do jantar. Não havia ninguém.Estrelas brilhavam na límpida imensidão do firmamento. Consegui distinguir o Cruzeiro do Sul, e Vênus, a quem os antigos chamavam de Lúcifer, a que carrega a luz. Despi-me e entrei n mar - a água era lisa e tépida - com a sensação de que mergulhava na própria noite. No século XIII escrevia-se noyte. Digamos então que eu me senti mergulhar na noyte, sugado pelo seu vórtice escuro, e que fechei os olhos e quando os reabri vi as estrelas  a girar ao meu redor.  Movia os braços e cada movimento parecia gerar um tumulto de estrelas. Conheço pessoas que passaram por esta experiência e entraram em pânico. Outras em êxtase. Muitas falam em embriaguez, a maioria em sonho.  O fenómeno é provocado por um pequeno organismo unicelular, a noctiluca, capaz de emitir luminescência, e chama-se  ardência marítima ou, no sul de Portugal, agualusa. Fiquei muito tempo no mar, divertindo-me, como um pequeno Deus inclemente, a criar e desfazer constelações. Dei-me conta, ao sair, que havia uma esguia sombra de mulher estendida na cadeira ao lado da qual eu deixara a roupa. Reconheci-a assim que me aproximei: a Bailarina. Vestia um biquíni preto, reduzido, com aplicações de miçangas, ou outro material semelhante, que pareciam cintilar, vagamente, como pirilampos, sobre a pele escura. Sentei-me a seu lado, em silêncio e dessa vez foi ela quem falou primeiro.
     - Leve os sonhos a sério - sussurrou - Nada é tão verdadeiro que não mereça ser inventado."

(Em As mulheres do meu pai, José Eduardo Agualusa. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2012)