Pular para o conteúdo principal

Solidão No Fundo da Agulha, lançamento do livro.

     Fui para o lançamento, em Recife, do mais novo livro de  Ignácio de Loyola Brandão
     Cheguei bem mais cedo só para me dar o prazer de perambular sem ter noção alguma de onde estou dentro Shopping RioMar. Não acerto sair por onde entrei, nunca  sei  se estou no L2 ou L3! Nenhum problema: se tenho pressa olho o mapa, se não tenho me deixo perambular.      Foi  o que fiz desta vez até comprar o livro ( a livraria no mapa), daí não resisti e comecei a ler.
    A quase biografia de Ignácio Loyola é uma obra de arte!!  Sabe aquela situação em que você ouve uma musica e diz: pôxa! Eu morava na R. das Algas e quando ia, na rede esticada no terraço, ninar meus filhos sempre tinha alguém ouvindo Anunciação, de Alceu Valença...?? Pois bem, todo o livro é assim um pouco de fatos da vida do autor em que uma determinada música se fez muito fortemente presente a ponto de ser lembrada anos depois.  
     No teatro da Livraria Cultura, Loyola Brandão conta que alguns fatos na verdade não aconteceram, porém estão na sua memória como se verdadeiros fossem, acrescenta que isso é que tem importância. 
     O autor cita algumas pessoas, como a mãe de D.Ruth Cardoso, Dina Sfat que conheceu quando ela ainda nem era famosa, sua infância e adolescência em Araraquara. Vários momentos de sua vida, enfim, contados de forma divertida e muitas vezes lírica. 
     Ah, disse que o livro é uma obra de arte porque além dos textos muito bons de ler, traz fotografias que se confundem ou explicam por si, o que o autor escreveu e além do mais traz um CD com todas as músicas citadas.  A belíssima  voz em todas as 11 faixas é de Rita Gullo, filha de Ignácio de Loyola Brandão.

   Recomendo a leitura de Solidão No Fundo da Agulha.
Formato: Livro com CD
Autor: Ignácio de Loyola Brandão
Colaborador: Rita Gullo
Editora: Tratore
Assunto:  Contos e Crônicas




  Na dedicatória que me fez, cita o "Ulisses". Trata-se de um ex professor de matemática, que compreendeu o jovem incapaz com os números e lhe deu aprovação pra que ele pudesse viajar no dia seguinte e não matar seus sonhos. 
Algo em comum com Loyola? 
Sim, eu tenho. Jamais me dei bem em matemática


Nota: este livro está fora de catálogo.

Comentários

  1. Ótima resenha. Sucinta e clara. Essa galega vai longe...

    ResponderExcluir
  2. Regina, invejinha construtiva de vc!
    Fiquei com água na boca, quero ler também!
    :)
    Marilda

    ResponderExcluir
  3. Mari, acho que acabo fazendo o livro circular, mesmo que pra um número restrito posto que não é um livro comum. Te aviso. beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?