Pular para o conteúdo principal

Empreste seu livro!

Guarda seu livro na estante e por anos a fio ele fica lá sem releitura, sem nenhuma função além de tomar espeço e dar trabalho na mudança? 
Que tal fazer seu livro circular?  
Doe,  empreste! Outras pessoas poderão ler, aprender e apreciar tanto quanto você.
 Há 5 anos faço parte de um grupo de leitura cujos livros circulam por mais de uma cidade, são enviados pelos correios e são lidos por mais de uma pessoa.  Hoje enviei O Filho de Mil Homens, do escritor angolano Valter Hugo Mãe.   O livro seguiu para Fortaleza, depois vai ser enviado para São Paulo de onde sai para Espírito Santo  de onde o leitor  enviará para o Rio Grande do Sul e, por fim, voltará pra mim. Mas se outra pessoa pedir O Filho de Mil Homens, mudará de rota e terá mais leitor.  Eu adorei o livro, e todos os que me pediram desconhecem o autor. Fico feliz em aprensentá-lo e mais feliz ainda se gostarem. Se eu não emprestasse não teria com quem comentar. 



Comentários

  1. Simples e singelo. A leitura circula e a amizade também. Tenho o maior orgulho quando recebo e envio um livro. Enviar mimos é uma oportunidade única, pois a pessoa que leu o livro nunca esquece e quando recebemos vem recheado de bilhetes gratificantes. É uma delícia! E se alguém pergunta sobre o livro, eu explico que é um 'errante' com o maior prazer! "O filho de mil homens" será muito bem recebido na terrinha. Aguardo ansiosa. Vinde!

    ResponderExcluir
  2. Aqui do meu lado direito, tem duas caixas com livros que vou levar pra uma biblioteca. tenho uns separados pra deixar abandonados em praça pública. Tenho o maior prazer em compartilhar. Espero que goste de Valter Hugo Mãe. Nesse livro ele está melhor, porque separou-se do estilo Saramago,beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.