Pular para o conteúdo principal

Os Livros Mais Difíceis de Ler Até o Final.

     O jornal italiano Corriere Della Sera, com o apoio do Facebook e Twitter, pesquisou quais os livros que os italianos não conseguiam ler até o final.  
     Na lista me surpreendeu a indicação de livro de Garcia Márquez, porque esse livro foi daqueles que peguei e não quis largar.
     Ulisses jamais me atraiu e A Montanha Mágica, continua esperando minha dispsição para leitura. 
      De Thomas Mann gostei muito e indico O Eleito
      Vamos aos livros considerados mais difíceis de ler até o fim:

100  anos de Solidão - Gabriel Garcia Márquez










Ulisses - James Joyce










*Pé Na Estrada - Jack Kerouc
*O Homem Sem Qualidades -Robert Musil










*A Montanha Mágica - Thomas Mann









*O Som e a Fúria - Willian Faulkner
*Guerra e Paz - Leon Tolstoi









Frateli d'Itália - Alberto Arbasino

 Sem edição em Português






Horcynus Orca -Stefano D'arrigo
 Sem edição em português













L'arcobelo -Thomas Pynchon
Em português: O Arco iris da gravidade - edição esgotada
Em inglês (foto): Gravity's Rainbow







Petróleo - Pier Paolo Pasolini

















 O Pêndulo de Faulcout - Umberto Eco











Fontes: Leia já, Corriere Della Sera e Wikipedia, Livraria Cultura

Comentários

  1. Concordo com você, Cem anos me foi tão fácil e gostoso de ler que me surpreendeu constar nesta lista. O Pêndulo eu parei nas primeiras páginas e a Montanha vive de olho em mim, mas ainda não chegou o momento.

    ResponderExcluir
  2. Regina, tb estranhei mas penso que amamos o "Cem Anos de Solidão" devido aos laços latino-americanos que nos unem.
    Li a Montanha Mágica, Morte em Veneza, Cabeças Trocadas e Tônio Kroeger, de Thomas Mann, a quem muito aprecio. "A Montanha Mágica" foi o mais difícil de concluir, mas vale muito a pena. É um livro soberbo!
    Marilda

    ResponderExcluir
  3. Te todos os livros, só li Cem Anos de Solidão, mas li umas três vezes e continua guardado aqui em casa para ler qualquer dia desses rs.... Amo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?