Pular para o conteúdo principal

Saideira 2009 o mais solicitado.

Prata do Tempo - Leticia Wierzchowski -  foi o livro mais solicitado para leitura no  Saideira de 2009


Publicado originalmente em 1999, este romance tem como personagem principal uma casa construída à beiramar e à beira do delírio. Uma casa que, na sua falta de lógica, lembra um labirinto. Casa que, no excesso de paixão, lembra a corrente sanguínea. Ao circular por todos esses corredores, ao se perder nos muitos aposentos, o leitor visitará quase um século da história da família Serrat. E esta visita será feita com a melhor das anfitriãs: a contagiante narrativa de Letícia Wierzchowski.



" ... a família foi morar na casa de mil portas e janelas, onde tanta vezes me perdí por horas infindáveis quando era menina - até que engendrei o artifício de usar um fio de linha para marcar os meus caminhos, cada um com sua cor própria. Mesmo tendo sido concebida e gerada entre essas paredes, ainda sim levei muitos anos para compreender as voltas de cada corredor e o que se escondia atrás de tantas portas; fiz isso até desobrir dentro de minha alma os caminhos obscuros do louco labirinto de sonhos que meu pai tornou real, e então desvendei-os com clareza, pois eram delírios de amor." (trecho do livro, transcrito da contra-capa).

Este livro, oferecido por Suzie, começa vai  ser  postado amanhã da cidade de Porto Alegre junto  com  ele também  vão  ser postados livros do Recife(PE), Rio de Janeiro(RJ), São Paulo(SP), Araçoiaba da Serra(SP),São Gonçalo(RJ); Itaperuna(RJ);JoãoPessoa(PB);Nova Iguaçu (RJ) e estará começando o  grupo  que encerra o ano na comunidade LivroErrante.

Comentários

  1. Estou com boas expectativas pra leitura do livro.
    Beijos,
    Letícia

    ResponderExcluir
  2. Como pedi 7 logo de saída,vou deixar esse para o final. Mas vou ler sim.
    Aproveitando, parabéns garota!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.