Pular para o conteúdo principal

Melhor que a Encomenda - Fred Matos


Fred Matos, gentilmente enviou o livro Melhor que a Encomenda (Funcultura-BA- 2006), para que, conforme informei, eu fizesse errar entre os novos leitores de nossa comunidade. Seu livro já havia sido muito bem aceito pelo integrantes fundadores do Livro Errante tão logo abrimos a comunidade do Orkut. Recebi dois exemplares. Um faço circular agora.*
Sobre o livro, diz Guido Guerra:
A ficção de Fred Matos, por vezes divulgada na Internet pela necessidade de comunicação, que é essencial ao criador, apoia-se basicamente nos temas do cotidiano, como o caso de Helena que, 20 anos depois, retira do baú o vestido de noiva para realizar seu sonho dourado: o de subir ao altar, em oposição com a história de Luiza, que chega a Vinhedo Novo com um sonho - ser puta para tornar-se madame: consegue ser dona de um bordel. O romance de Lídia e Rimundo perturbado pelos poemas que o marido escrevia na madrugada: "a porta aferrolhada aprisiona o grito".
Na página de dedicatória o autor colocou:
" Este é para os que são da paz e que vencendo as circunstâncias mantêm-se íntegros."
Vou ler.Fred Matos é do bem.

* Este é um "errante livre" - da mesma forma que fazemos na comunidade é só colocar seu nome para entrar na fila. Aguardo você. Acompanha: Anomalias - do mesmo autor.
Regina

Comentários

  1. A sua iniciativa é digna de todos os elogios. Só uma observação: o sobrenome do Guido é Guerra. Espero que goste dos livros.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá! estou oferecendo um selo a seu blog lá no meu!
    http://sagradoxprofano.blogspot.com/2008/09/enfim-o-primeiro.html

    ResponderExcluir
  3. Fred,
    Correção efetuada. Comecei a ler o livro, teço comentários depois.
    abraço

    ResponderExcluir
  4. Diom,
    Aceito.
    Chamei um blogueiro para me ajudar estou enrolada e precisando urgentmente fazer mil ajustes aqui.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?