Pular para o conteúdo principal

Mulheres lêem mais...

Mulheres são as que lêem mais
Pesquisa mostra que 39% dos brasileiros que lêem livros estão na faixa etária de 5 a 17 anos
Ullisses Campbell e Renata Mariz // Do Correio Braziliense
São Paulo e Brasília - Uma pesquisa divulgada ontem na 20ª Bienal do Livro, em São Paulo, revela que o brasileiro gosta de ler, principalmente as mulheres jovens e de classe média. Segundo o, levantamento, feito pelo Ibope a pedido da organização não-governamental Instituto Pró-Livro, 39% dos 95,6 milhões de leitores de livros no Brasil estão na faixa etária de 5 a 17 anos e outros 14% possuem entre 18 e 24 anos. Os leitores mais jovens também são os que mais lêem. Além em empurrar os índices de leitura para cima, os jovens adolescentes também estão introduzindo novos hábitos na hora de ler. Enquanto nove entre cada adulto com mais de 40 anos de idade prefere ler em locais silenciosos, muitos jovens com idade entre 14 e 17 anos dizem que gostam de ler ouvindo música. Já 14% das crianças com menos de 10 anos curtem os livros ao mesmo tempo em que assistem à tevê.Para dois terços das crianças e adolescentes com menos de 15 anos, o tema é o fator mais importante na hora de escolher um livro para ler. Outra constatação interessante é a influência da família, em especial da mãe, que é muito mais evidente quando se compara o brasileiro que lê com o que não tem o hábito de pegar no livro. Entre as crianças de 5 a 10 anos, 73% delas citam as mães como quem mais as estimularam a ler. A importância feminina é maior no Norte (59%) e no Nordeste (56%) do país, muito acima dos professores. Para pesquisa, o leitor leu algum livro recentemente O bom exemplo dos pais faz a diferença, segundo constatou o estudo. Um em cada três leitores tem lembranças da mãe lendo algum livro e 87% afirmam que os pais liam para eles quando iniciaram o hábito. A influência materna na leitura dos filhos aponta um outro dado curioso: 55% de todos os leitores do país são do sexo feminino, enquanto 45% são de homens. "Os pais perceberam que ler um livro é tão importante quanto praticar um esporte e passaram a cobrar isso dos filhos", atesta a pedagoga Gláucea Marques Honorário, da Universidade de São Paulo.A pesquisa, intitulada Retratos da Leitura no Brasil, revela também que 55,5 milhões de brasileiros gostam de ler e que crianças de 5 a 10 anos consideram a leitura um prazer. "Esse é o melhor resultado que a pesquisa alcançou", ressalta o coordenador do levantamento, Galeano Amorim.Para a realização da pesquisa, foi adotado como conceito a definição de leitor: aquele que declarou, no momento da entrevista, ter lido pelo menos um livro nos últimos três meses: um número de 95,6 milhões de pessoas, ou seja, 55% da população estudada. Crianças com menos de 5 anos não foram entrevistadas. Se considerar aqueles que declararam ter lido pelo menos um livro nos 12 meses anteriores , este número sobe para mais de 100 milhões.Já o não-leitor foi o que declarou, no momento da entrevista, não ter lido nenhum livro nos últimos três meses (o que inclui, para efeito deste estudo, também o leitor que leu em outros meses que não os três últimos ou mesmo que leu ocasionalmente). Esse número é de 77,1 milhões (45% do universo estudado).

Comentários

  1. E nem venham com esta de que mulher lê mais porque trabalha menos. Piada. A gente lê mais e trabalha mais. Administramos melhor o nosso tempo, isto sim!

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante.
    E quebra completamente a idéia de que leitura está diretamente relacionada com poder aquisitivo. 5% de leitores na classe A é vergonhoso. Mesmo tendo cautela na afirmação, pois não sei como foi efetuada a pesquisa em termos de classe, o número é muito baixo.

    ResponderExcluir
  3. Cara Marcia,
    Em matéria publicada no Jornal O Globo de 28/03/08, esta surpresa comrelação à falta de conexão entre poucoa leitura e poder aquisitivo é mencionada. a matéria refere-se a uma pesquisa encomendada pela Fecomercio-RJ sobre hábitos de consumo de cultura pelo brasileiro; Neste blog: "O Que Podemos Fazer" postagem do mês de abril:
    http://livroerrante.blogspot.com/2008_04_01_archive.html

    abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.