Pular para o conteúdo principal

Língua Na Areia, Natalia Borges Polesso

 


⠀⠀⠀⠀⠀Além do mais, já não tinha medo. Era questão de entendimento mútuo. Não pensou nem por um segundo que um dos dois pudesse ser tão velhaco. Só que um dos dois era. O frio arrepiava tanto a pele que eu parecia uma galinha depenada. Miúda e desengonçada. Pescoço fino, dobrável, maleável vareta. Já não tinha aflição de areia. Tinha desejo de meter a língua nos pequenos buracos de tatuíras. Sentir a cócega do sal. Sentir a cócega da água. Sentir a cócega do bicho cavando areia, sumindo dentro do mundo. Sumindo para ser encontrado depois, criatura ancestral. Imagina se fosse do meu tamanho. Ou do tamanho de uma galinha. As praias erodidas. O mar se demorando em chegar à costa, porque precisaria preencher os vãos. A língua dançando no vazio. Me chamavam para fazer uma fotografia. Mas eu não ouvi. O vento era tanto que carregou o pedido para longe. Carregou o meu nome para longe. Se desfez em sílabas em sons nasais, em língua colada no céu. Da minha boca tirei os cabelos grudados. E como grudava essa estesia. Relhavam meus olhos os finos fios. Me chamavam para fazer uma fotografia. Abri bem as pernas para firmar o peso, acabei criando mais atrito com o vento. A água não se ajeitava. A água não se coordenava com os meus pés, que afundavam lentos na areia fina debaixo da pequena maré. Me chamavam para fazer uma fotografia. Dessa vez, um bloco de vento joga o meu nome na direção certa, rebentando em meus ouvidos. Dei as costas para o vazio contínuo que soava. Aquele som de nada, absolutamente preenchido, contínuo, aquele som sem pausa, que parece o nada, que parece o mudo do mundo, aquele som de água móvel, sem pausa, eu dei as costas para o vazio. E vi a máquina fotográfica posicionada nas mãos da minha tia. Botei a língua para fora. Abri os braços para que o equilíbrio me segurasse pelos sovacos. Botei a língua para fora e senti o sal nos meus cabelos. E vi a máquina fotográfica baixar das mãos da minha tia, vi a máquina fotográfica pendurada em seu pescoço, vi seus lábios projetarem um rumor que foi arremessado para longe. Eu vi. As vogais sendo engolidas pelo vento, suas vogais cheias de cuidado, suas vogais bem articuladas, sendo roubadas pelo vento. Suas mãos espalmadas na minha direção não detiveram a onda às minhas costas, minhas costas não detiveram a onda que chegava à costa, a costa não deteve a mágoa. Não era muita, mas era o suficiente para arrastar uma galinha de pernas finas. A língua não teve tempo de se desvencilhar dos fios e foi projetada, como se desejasse salvar-se a si sem o resto da boca, sem o pescoço, sem o corpo, talvez. Como se apenas a língua importasse. Os dentes não perdoaram. Chegou antes, de fato. Correu areia e conchas e mães-d’água e sangue pouco. Chegou antes machucada, cheia de sal. Chegou antes à aspereza do grão, de cada grão, dos sulcos que seu próprio peso inventava no mundo, das brechas se abriam e se fechavam em sua passagem. E nunca mais deixou de ser daquele modo.

Imagem: site Inquietaria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Olhos de Preá, Carlos Drummond de Andrade

Nem tudo no ano escolar foi pichação de parede, pedra jogada na testa da polícia.Quem era de estudar estudou, fez pesquisa, juntou coisas para provar. Aí organiza-se uma exposição, mas que seja bem bacana.Sem ar de museu antigo, objetos falando, contando o esforço de aprender e transmitir, a alegre descoberta da natureza pela moçada.      A turma do científico¹ quer lá saber de apresentar só desenhos e fotos. Durante o ano, andou por Manguinhos e Butantã², trabalhou em laboratórios, adquiriu saber de experiências feito. Então vai mostrar os soros, as vacinas, os pequenos animais empalhados que documentam a praxis, como gosta de dizer um líder da turma.

Mãe É Quem Fica, Bruna Estrela

Mãe é quem fica. Depois que todos vão. Depois que a luz apaga. Depois que todos dormem. Mãe fica.      Às vezes não fica em presença física. Mas mãe sempre fica. Uma vez que você tenha um filho, nunca mais seu coração estará inteiramente onde você estiver. Uma parte sempre fica.      Fica neles. Se eles comeram. Se dormiram na hora certa. Se brincaram como deveriam. Se a professora da escola é gentil. Se o amiguinho parou de bater. Se o pai lembrou de dar o remédio.      Mãe fica. Fica entalada no escorregador do espaço kids, pra brincar com a cria. Fica espremida no canto da cama de madrugada pra se certificar que a tosse melhorou. Fica com o resto da comida do filho, pra não perder mais tempo cozinhando.      É quando a gente fica que nasce a mãe. Na presença inteira. No olhar atento. Nos braços que embalam. No colo que acolhe.      Mãe é quem fica. Quando o chão some sob os pés. Quando todo mundo vai embora.      Quando as certezas se desfazem. Mãe fica.      Mãe é a teimosia …