Pular para o conteúdo principal

Água e Vinho, Janete Barros

Não sei muito bem a diferença
Imagem: Daniele Levis Pelusi on Unsplash

Entre humanismo e religiosidade.
Também não sei se caminham
De mãos dadas no ocaso,
Na calada da noite
(onde os pensamentos cozinham);

Nos apertos do nó...
Nas laçadas bruscas da vida.
Mas o que sei e bendigo,
É que tem louvores,
Que nem todas as moedas
Do mundo compram.

Tem artes...
Tem cores...
Amores...
Que poucos entendem e captam.
E talvez porque nascem desordenados,
Em linhas tênues...
E depois é que toma corpo.

Também não me perguntem
Das digressões e de luas...
Tampouco sei.
Apenas incorporo na necessidade,
Tão minha, de percorrer letras...
Cheirar papéis e não tomar sangria.



Veja o vídeo




Comentários

  1. Que emoção, de ver tudo organizado, com imagem e sentimento de paz! Grata por mais uma partilha!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Olhos de Preá, Carlos Drummond de Andrade

Nem tudo no ano escolar foi pichação de parede, pedra jogada na testa da polícia.Quem era de estudar estudou, fez pesquisa, juntou coisas para provar. Aí organiza-se uma exposição, mas que seja bem bacana.Sem ar de museu antigo, objetos falando, contando o esforço de aprender e transmitir, a alegre descoberta da natureza pela moçada.      A turma do científico¹ quer lá saber de apresentar só desenhos e fotos. Durante o ano, andou por Manguinhos e Butantã², trabalhou em laboratórios, adquiriu saber de experiências feito. Então vai mostrar os soros, as vacinas, os pequenos animais empalhados que documentam a praxis, como gosta de dizer um líder da turma.