Pular para o conteúdo principal

Quem É Você Na Fila do Pão?, Suzana Valença

Eu adoro a expressão “quem é você na fila do pão?” porque acho que ela é incomum aqui onde eu moro. Sempre acho engraçado quando as meninas do podcast Mamilos falam essa frase para pedir que os convidados se apresentassem. Se um dia alguém me perguntar “quem é você na fila do pão” quero muito responder “ninguém”. Por quê? E porque diabos eu estou falando sobre isso? Porque eu quero conversar sobre como nosso senso de identidade é confuso. E sobre como, talvez, estejamos montando esse senso com base nas ideias erradas.
Tudo tem a ver com a quarentena. Estou fazendo uma mini série de posts chamada “como conversar com você mesmo”. São ideias sobre como podemos ficar mais em paz durante o isolamento. No primeiro texto, falamos sobre nossa dificuldade de olhar para dentro. Agora, quero bater um papo sobre porque achamos que nós estamos lá fora.
Opa! “Estamos lá fora” metaforicamente, não é? Todo mundo já pra dentro!
O que eu quis dizer é que a vida externa nos dá rótulos e parece que construímos nossa ideia de “eu” em cima deles. Somos “diretora da empresa tal e tal”, “ganhadora do prêmio seiquelá”, “finalista da competição de nãoseioque”. Tudo isso é muito maravilhoso (quer dizer, deve ser, você fodões aí que me digam) mas não podemos nos apegar demais porque, como acabamos de perceber, tudo isso é efêmero. Com a quarentena, tudo isso sumiu de uma hora para a outra. Estamos todos trancados em casa. Temos todos os mesmos receios, não queremos ficar doentes, não queremos que ninguém que a gente ama fique doente. Não somos mais diretoras, vencedoras, e etcs. Somos só nós mesmas, com pensamentos infinitos nas nossas cabeças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Olhos de Preá, Carlos Drummond de Andrade

Nem tudo no ano escolar foi pichação de parede, pedra jogada na testa da polícia.Quem era de estudar estudou, fez pesquisa, juntou coisas para provar. Aí organiza-se uma exposição, mas que seja bem bacana.Sem ar de museu antigo, objetos falando, contando o esforço de aprender e transmitir, a alegre descoberta da natureza pela moçada.      A turma do científico¹ quer lá saber de apresentar só desenhos e fotos. Durante o ano, andou por Manguinhos e Butantã², trabalhou em laboratórios, adquiriu saber de experiências feito. Então vai mostrar os soros, as vacinas, os pequenos animais empalhados que documentam a praxis, como gosta de dizer um líder da turma.