sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Meu dia na Fenelivro.

Minha terceira ida à Fenelivro começou com a inauguração do aplicativo Moovit que eu adorei. Por causa dele já sai de casa sabendo que o ônibus que eu tomaria estava a 6 minutos de mim.


Perambulando pelo pavilhão da feira enquanto espero minha filha e a palestra das 11h

Banda estudantil de música, não sei de qual colégio.



 Aqui é a estante mais procurada pelos adolescente. 
Crônicas de Nárnia, Star Wars e mais um monte de livros de aventura e ação ficam nessa esquina do  stand mais movimentado. 

Aqui, conheci gente da organização da feira e da  imprensa.  

Também nesse stand conversei com duas blogueiras e, melhor que tudo, conheci o José Eduardo Agualusa.



Contação de histórias, para cada grupo de escolares que chegar.  Os contadores se revezam e por horas seguidas compartilham fantasias.

Os estudantes circulam por diversos stands  conhecendo e conversando com autores.
 As contações de história sempre ficam lotadas.

E tem também uns sorteios de brindes.

Por todos os corredores tem grupinhos de estudantes de diversas faixas etárias, indo ou vindo de alguma atividade

 A música também entra no passeio que os estudantes fazem ao pavilhão. 

 Esse grupo saiu de uma conversa com autores no stand principal e veio cantar.











 Não sei se há uma  determinação de privilegiar o livro infantil, mas aparentemente a quantidade de livros infantis é muito maior. 

Eu vou passando e imaginando levar pro Theo, meu netinho fofo, pelo menos a metade de cada editora.

São capas e livros encantadores aos montes. Joguinhos, livros de pintar, de cortar, de babar, de ler sozinho ou com a vovó.

Uma festa.  Esse atlas ao lado, acreditem, me interessou tanto quanto os livros de fadas, bichinhos, barquinhos...
 Não faço ideia do conteúdo do livro nem conheço a autora, mas que a capa é bonita é.   


Se alguém conhece me fale a respeito.


A capa influencia sim,  mesmo que a gente não note.
 Ahhhhhhhhhhhhhh e essa poltrona?  Ideal pro viciado. Aconchegante e com estante nela mesma. Tem coisa mais convidativa?


Depois de perambular, o descanso foi necessário para esperar a palestra da tarde. 

cabe um bocado de livros e quando a gente senta já fica tentado a pegar algum exemplar.   Não deu outra:

Li o livro de uma família de ratinhos. Olha ele lá em baixo. 

Depois li o que deixei na parte de cima.  A história de Mariana uma adolescente magérrima..... que sofre com o bullying na escola. 

É um livro interessante: bem escrito e com ótimo trabalho gráfico.


 Infelizmente não memorizei o autor nem título do livro.  Quando eu voltar lá amanhã vou procurar novamente.
Se não estivesse tão frio no pavilhão da feira eu teria lido os outros livros da poltrona.  

Dali, fui  fazer lanche com Suzie e voltamos pra palestra que havíamos escolhido.  

Foi ótima.  Aprendi que livro digital é uma coisa e digitalizado é outra...  bom mas isso é assunto pra outro blog


 Antes de terminar:  olha que capa sugestiva!! Alguém conhece a autora Elza Fernandes Torres?

Já leu o livro?  


Que surpresas serão essas?







Tapioca da Sé!  Ô que coisa boa. 


Bem nordestina com queijo coalho ou tentadora com Nutela.  

Ah! tive a ótima companhia de minha filha.


Foi ou não foi um dia feliz?