segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Leis de Mendel? Não. Poesia.




"Vós letras, vós tipos, frutos de minha pesquisa, 
Vós sois a pedra fundamental
Sobre a qual estabelecerei e erigirei
Meu templo para todo o sempre.
Como o mestre desejou, vós dissipareis
A força obscura da superstição
Que hoje oprime o mundo.
Os trabalhos dos maiores dentre os homens,
Que agora, de uso para alguns, apenas,
Desintegram-se no nada,
À luz trarei e preservareis
Pois em muitas cabeças, imersas ainda
Na dormência, vossa força despertará
As grandes, as claras forças da mente.
Em suma, vossa chegada não poderá deixar
De criar uma vida nova, uma vida melhor.
Possa a força do destino conceder-me
O supremo êxtase da alegria terrena,
A meta máxima do êxtase terreno,
Que é o de ver, quando da tumba me erguer,
Minha arte florescendo em paz,
Entre os que vierem depois de mim."




(Tradução do poema escrito por Mendel
quando era ainda um escolar)


in BAKER & ALLEN (Estudo da Biologia)