Pular para o conteúdo principal

Símbolos do Natal

                     Tão acostumados estamos com as mensagens natalinas, as árvores, o Papai Noel, presépio etc que nem notamos  que pouco ou nada sabemos a respeito dos símbolos do natal.   Hoje o blogueira deixa o tema da Literatura e posta a respeito das lendas e adereços que estão presentes nos nossos finais de ano. 

Pinheiro:


     De origem germânica, sua tradição é atribuída a São Bonifácio - séc. VII. 
      O pinheiro ( a árvore da vida na liturgia cristã) foi instituído pelo missionário em substituição ao sacrifício cristão ao carvalho sagrado do deus Odim. Representa a promessa do renascimento das outras árvores e de toda a vegetação. 
      O costume de enfeitar árvores de Natal espalhou-se pela Europa e em seguida pelas Américas.







Presépio:
     Origem ligada a São Francisco de Assis, no séc.XIII. 
  No Natal de 1223, na Grécia, ele representou o nascimento de Cristo em um estábulo de verdade. A ideia se espalhou e até  a Sagrada Família, Reis Magos, pastores, anjos e figuras da vida camponesa são representados em miniatura.



      Velas e bolas
            As velas anunciam as flores da primavera. 
           Também simbolizam a alegria da chegada da luz com o fim o inverno. 
     Os frutos (verdadeiros ou imitação) que se penduram nos pinheiros foram substituídos por bolas coloridas e são bons sinais para colheitas vindouras.


Cartões de Natal:
     O hábito surgiu na Inglaterra por volta de 1843.        Um inglês, Sir Henry Cole, pediu a John Horsley que desenhasse algo alusivo ao Natal, para distribuir com os amigos. John desenhou uma família brindando à saúde de um amigo distante. O desenho escandalizou a sociedade e o desenhista foi acusado de incentivar a bebedeira. A ideia, no entanto, foi aprovada e em 1851 os cartões começaram a ser impressos.

Dar presentes  colocando as caixas sob as árvores de Natal.
     É uma tradição ligada aos festejos de São Nicolau, o atual Papai Noel, surgida na Holanda. Tem origem pagã. Entre os cristãos o costume surgiu com o papa Bonifácio, séc. VII. No tempo dele, no final das missas os paroquianos recebiam pães. No dia seguinte os padres eram presenteados.


E, por fim, ho ho ho...
Papai Noel:                               
 Velhinho,gordo,pele clara,bochechas,avermelhadas,cabelo,barba e bigodes brancos e bom coração. É essa a imagem que temos de Papai Noel há muitos anos.  Ah, tem também a parte de que ele, nas noites de Natal,  desce pelas chaminés ou pula sem ser visto as janelas das casas.  A história desse personagem surgiu há  17 séculos no culto a São Nicolau, bispo de Mira,na Ásia Menor.
     Dizem que  em Patara, na Lícia (atual Turquia) por volta de 270, o  casal: Epifânio e Joana,  idosos ricos, tiveram um menino a quem deram o nome de Nicolau (pessoa vitoriosa). No ano 300, Nicolau conheceu 3 irmãs que não conseguiam casar por serem pobres. Ele resolveu ajudá-las. Todas as noites ele jogava moedas de ouro na casa delas, que caiam dentro de uma meia.(Daí o costume de pendurar meia ou sapato nas janelas ou lareiras, iniciada nos Países Baixos). 
     Conhecido por sua bondade, Nicolau morreu entre os anos 345 e 352, em Mira. Foi sepultado na igreja da cidade. Depois de sua morte, passou a ser cultuado e a partir de 987 transformou-se no protetor da Rússia.
     Quando em 1807 Mira foi dominada pelos turcos, seus restos mortais foram levados pelos monges e marinheiros para a cidade de Bari, na Itália.
    Durante a Idade Média, São Nicolau era representado como um distribuidor de presentes, vinho e pão, ricamente trajado. O costume de presentear as crianças no dia de São Nicolau ( 6 de dezembro) foi transferido para a noite de 24 de dezembro. No séc. XVII ele foi levado para a América pelos holandeses. O Papai Noel conhecido dos brasileiros foi desenhado pelo professor de Teologia Clemet Clark Moore, nos USA em 1856. O Chamado bom velhinho, chegou no Brasil no séc. XVIII trazido pelos imigrantes.
 (Fonte: JC.25.12.1994- Cidades)

     Papai Noel, como existe agora, não foi criação da Coca Cola, a referida empresa usou a imagem numa propaganda  e impulsionou enormemente seu uso comercial, fixando definitivamente o personagem no ocidente.



Ded Moroz (esquerda), correspondente russo do nosso Papai Noel.

São Nicolau (direita)








Não sei a origem das renas e trenós. Seus nomes em português são: Rodolfo, Corredora, Dançarina, Empinadora, Raposa, Cometa, Cupido, Trovão e Relâmpago. Quem souber a respeito, explique por favor.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.