segunda-feira, 1 de julho de 2013

Viagem, Lucila Nogueira


Imagem Wikipedia
 
Não há caminho que divida a sua origem.
Nem há parada, se a viagem é pelo sangue.
Essa raiz a cada gesto não reprime
a chama alada em meus olhos se desdobra
Sempre é mais forte que horizontes um destino
Sempre selvagem a dor da vida, a dor da morte
Esse rochedo a cada onda não define
a espera infinda de um farol dentro da noite.
(Em: Bastidores,Ed.Bagaço 2002)