Pular para o conteúdo principal

Melhores livros de 2012 (adulto)

A revista Super Interessante divulgou o que considera os 10 melhores livros do ano. Mesmo que você tenha seus escolhidos, vale a pena verificar as sugestões da revista.  Quem sabe não acrescenta mais um? De minha parte, já me interessei por ler três dos citados. E você, o que sugere? Qual seu melhor livro do ano?

Comentários

  1. Puxa, Regina, não li nenhum deles. E tem mais, da lista só dois me atraíram:

    O futuro já começou
    Pode confiar: até 2100, centenas de satélites espaciais na órbita da Terra absorverão a radiação do Sol e finalmente resolverão o problema das fontes energéticas. Os robôs terão sentimentos (o que lhes permitirá tomar melhores decisões), a internet será acessada por meio de lentes de contato e você poderá alterar o lugar – e até a forma – dos móveis de sua casa com um simples comando mental. (Não é feitiçaria, é tecnologia: eles terão chips capazes de ler sinais elétricos do cérebro.) Essas previsões foram feitas pelo físico Michio Kaku. Com base em mais de 300 entrevistas com cientistas e em pesquisas existentes, Kaku faz previsões confiáveis sobre como será o nosso cotidiano no futuro.
    A física do futuro, Michio Kaku, Editora Rocco, R$ 60





    Esfriou hoje, né?
    Você já ouviu falar no paradoxo das florestas e do mar? É uma previsão que diz que, se as áreas verdes do planeta virarem desertos, a temperatura vai subir e uma grande quantidade de poeira será jogada sobre os oceanos. Mas eis o paradoxo: essa mesma poeira vai servir de alimento para o plâncton, que, por sua vez, vai começar a absorver mais CO2 e resfriar o planeta. Ou seja, a desertificação da Terra vai aquecer e resfriar o planeta. Ao mesmo tempo. Essa e outras histórias sobre tempo, tempestades, ventanias e a nossa relação com o clima estão neste livro. É pra esquentar a conversa de elevador.
    Novos tempos, Ana Lucia Azevedo, Zahar, R$ 40.

    Mas como fiz um voto de ler mais livros científicos em 2013 já estou com essa listinha pronta.

    Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  2. Não se se gosto da ideia de fazer tanta coisa sem ser com as mãos. Do paradoxo, é interessante sim. Em biologia tem muito disso. Ainda não fiz voto de ler livro científico, devia fazer não?
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Depois eu te digo se vale a pena... rs...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?