segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Descobrindo Olegário Mariano (1)


Num remanso bucólico e sombrio
Onde atenua a marcha o grande rio,
Batem roupa,cantando as lavadeiras.
Trago ainda nos olhos: é bem ela,
A Paisagem do Poço da Panela!
   

Consultada sobre a autoria e correção do texto acima, descobri que, como eu, pouco pernambucano sabe quem foi Olegário Mariano. Há quem diga que é o pai dele que dá nome ao Cais José Mariano. Só. Uma pena, porque, o poeta recifense e um dos ocupantes da cadeira 21 da Academia Brasileira de Letras (hoje com Paulo Coelho) tem textos muito bonitos e é autor da letra de algumas músicas. A partir de hoje convido o internauta a descobrir Olegário Mariano comigo.  A propósito, o texto acima postado incompleto  em muitos blogs e sites da internet  é do poema O Poço da Panela, que pode ser lido na íntegra neste blog. Clique aqui.

De Papo Pro Á ( título original)  é um cataretê composto por Joubert de Cavalho em parceria com Olegário Mariano.

Não quero outra vida
Pescando no rio de Gereré
Tem um peixe bom
Tem siri patola
De dá com o pé

Eu não quero outra vida
Pescando no rio de Gereré
Tem um peixe bom
Tem siri patola
De dá com o pé

Quando no terreiro
Faz noite de luar
E vem a saudade
Me atormentá
Eu me vingo dela
Tocando viola
De papo pro ar

Se ganho na feira
Feijão, rapadura,
Pra que trabalhar
Eu gosto do rancho
O homem não deve
Se amofinar
Se ganho na feira
Feijão, rapadura,
Pra que trabalhar
Eu gosto do rancho
O homem não deve
Se amofinar

Quando no terreiro
Faz noite de luar
E vem a saudade
Me atormentá
Eu me vingo dela
Tocando viola
De papo pro ar


Descobrindo Olegário Mariano (2)