Pular para o conteúdo principal

5 Mini Contos, José Rezende

Vício Maldito!

                    O marido que não fumava, saiu no meio da noite pra comprar cigarro. Voltou dez anos depois com câncer nos dois pulmões.

Coletivo

                  Se esfregando em tudo quanto é passageiro, todo dia, só pra fazer ciúme. Amanhã tiro satisfação: chego por trás e pergunto o nome dela.

Caligrafia

                 Voltou dos braços da amante decidido a propor divórcio. Encontrou a casa vazia e um bilhete na porta da geladeira. Chorou só de ver a letra.

A Viagem do Infeliz Navegante

                  Para esquecer o grande amor tornou-se marinheiro. Cruzou sete mares, até o fim do mundo. Inútil: era sempre a mesma mulher em cada porto.

Formiguinhas Doceiras

                   As formigas foram as primeiras a chegar. "Era um doce de pessoa", chorou a viúva, fingindo remorso.



 José Rezende Jr.
Vencedor do Prêmio Jabuti 2010 com: Eu Perguntei Pro Velho Se Ele Queria Morrer, o melhor livro de
contos do ano.

Os contos acima estão no livro:Estórias Mínimas
da Editora 7 Letras e foi publicado em 2010.

Li também, do mesmo autor,A Mulher Gorila que está esgotado no fornecedor. Recomendo os três.

Para conhecer o autor:
www.joserezendejr.jor.br

Comentários

  1. Regina, rs...rs! Muito boa essa dica. Valeu mesmo!
    Um abraço
    Manoel

    ResponderExcluir
  2. Bom demais... adorei! Vou correndo comprar os dois livros.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?