Pular para o conteúdo principal

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

      Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.
     Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.
     A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém.
     Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...
     Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.
     - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.
     - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.
     A formiga olhou-a de alto a baixo.
     - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?
     A pobre cigarra, toda tremendo, respondeu depois dum acesso de tosse:
     - Eu cantava, bem sabe...
     - Ah! ... exclamou a formiga, recordando-se. Era você então quem cantava nessa árvore enquanto nós labutávamos para encher as tulhas?
     - Isso mesmo, era eu...
     - Pois entre, amiguinha! Nunca poderemos esquecer as boas horas que sua cantoria nos proporcionou. Aquele chiado nos distraia e aliviava o trabalho. Dizíamos sempre: que felicidade termos como vizinha tão bela cantora! entre, amiga, que aqui terá cama e mesa durante o mau tempo.
    A  cigarra entrou, sarou da tosse e voltou a ser a alegre cantora dos dias de sol.

Vamos aprender?
Faina: atividade intensa
Tulha: celeiro, silo.
Labutar: esforçar-se, trabalhar.
Paina: fibra natural semelhante ao algodão.
Manquitolar: mancar, coxear
Monteiro Lobato, fez nesta fábula  uma releitura da versão de La Fontaine em que a formiga não foi generosa com a cigarra. Monteiro Lobato, considerou o cantar da cigarra como um trabalho ao passo que La Fontaine viu como vagabundagem.

Comentários

  1. Amei a historia muito criativo mais tem uma palavra errada foi a palavra amiga ele(a) escreveu assim amiga mais tudo bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, caro desconhecido. Agradeço a observação. Lobato não escreveria errado, foi erro na minha digitação, MAS já foi corrigido graças e seu alerta. Agradeço muito por isso.
      Abraço.

      Excluir
  2. Eu quero o resumo do texto affs 😠😒😒

    ResponderExcluir
  3. Conteúdo muito bom, uma historia muito boa realmente mas também Monteiro Lobato esse cara era fera

    ResponderExcluir
  4. Outra linda historia do nosso saudoso Monteiro Lobato.

    ResponderExcluir
  5. Se fez um clássico pelo talaento, não?

    ResponderExcluir
  6. Ele era muito bom, minha mãe sempre contava as historia dele para mim quando criança.

    ResponderExcluir
  7. Eu cresci ouvindo essas historias muito linda

    ResponderExcluir
  8. Eu também cresci ouvido as historia dele parabéns por compartilha essas boas lembranças

    ResponderExcluir
  9. Boa Noite, Linda Nalva. Aceito sugestões, viu? Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Gosto muito dessas historia minha filha mais nova dorme ouvindo essas historias obrigada por compartilhar

    ResponderExcluir
  11. Que bom que sua filha tem a oportunidade de ouvir estorinhas. Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?