segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Segunda-feira poética:Carlos Drummond de Andrade

O Tempo passa? Não passa
Carlos Drummond de Andrade
 
O tempo passa? Não passa
no abismo do coração.
Lá dentro, perdura a graça
do amor, florindo em canção.

O tempo nos aproxima
cada vez mais, nos reduz
a um só verso e uma rima
de mãos e olhos, na luz

Não há tempo consumido 
nem tempo de economizar.
O tempo é todo vestido
de amor e tempo de amar.

O meu tempo e o teu, amada
trancendem qualquer medida
além do  amor, não há nada,
amar é o sumo da vida.

São mitos de calendário
tanto o ontem como o agora,
e o teu aniversário
é um nascer toda hora.

E nosso amor, que brotou
do tempo, não tem idade,
pois só quem ama escutou
o apelo da eternidade.