Pular para o conteúdo principal

Outros Ramos....

Caricatura de Mendez, que eu rabisquei.
Irmã,Filhos, netos e bisnetos de Graciliano também são ou foram escritores, 

Marili Ramos(Irmã) (Nome verdadeiro: Maria Ramos de Oliveira)
Livros de contos:Histórias mal-arranjadas,Ficção e realidade.
Biografia:Graciliano Ramos


Ricardo Ramos (filho)
Livros de contos: Tempo de espera, Terno de Reis, Os Caminhos de Sta. Luzia,Os desertos, Rua Desfeita, Matar Um homem,Toada para Surdos,Circuito Fechado,Toada Para Surdos,Os Inventores Estão Vivos,O Sobrevivente,Os amantes Iluminados.

Romances:Memória de Setembro,As Férias Invisíveis

Ensaios:Do Reclame à comunicação,Contato Imediato com a Propaganda 
Juvenis:Desculpem a Nossa Falha, Pelo amor de Adriana,O Rapto de Sabino  
Memória:Graciliano: Retrato Fragmentado.

Clara de Medeiros Ramos(filha)
Livros:
Memória:Mestre Graciliano:confirmação humana de uma obra 
Infantis:A estrela pisca pisca,Zé da Verdade, A formigarra,Cadeia,Memórias da cachorra Baleia 
Elizabeth Ramos(Neta)
Livro: A Nave de Noé (infantil) com:Ricardo, Rogério,Beatriz e Fernanda (netos) Janaina e Inai (sobrinhas de Jorge Amado e primas de Elizabeth)Paloma e João Jorge (filhas de J.Amado) e Dora (neta de J.Amado)

Ricardo de Medeiros Ramos Filho (neto)
Livros Infantis:O computador sentimental,Sonho entre amigos,A Nave de Noé, Sobre o telhado das árvores,Vovô é um cometa, O Gato que Cantava de Galo.
Beatriz Ramos de Araujo Mesquita(Neta) A Nave de Noé

Fábio Amado Rozendo Pinto (bisneto) Escreveu sob pseudônimo:
Paulo Bullar o livro de contos: Homus

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?