Pular para o conteúdo principal

Entrevista Solta,Carlos Drummond de Andrade


- Qual a mais bela palavra da língua portuguesa?
- Hoje é glicínia. Apesar de leguminosa.


- E amanhã?
- Cada dia escolho uma, conforme o tempo.


- A mais feia?
- Não digo. Podem escutar.


- Acredita em Deus?
- Ele é que não acredita em mim.


- E em Saldanha?
- O cisne ou o outro?


- O outro.
- Até Deus acredita nele.


- Então papamos a taça?
- Na raça.


- E se não paparmos?
- Eu não sou daqui, sou de Niterói.


- Mas tudo é Brasil.
- Para o Imposto de Renda, sim. Para o Imposto de Serviço, são muitos.


- Já fez a declaração?
- Quem faz por mim é um computador de terceira geração.


- Tão complicado assim?
- Ao contrário: a mais simples.


- Parabéns por ter renda.
- Mas eu não tenho. Imagine se tivesse.


- E a Apolo-9?
- O maravilhoso ficou barato. Quero ver aqueles três é guiando fusca no Rio.


- Vai melhorar. Olhe os viadutos.
- Estou olhando. Não vejo é pedestre. Já será efeito da pílula?


- O Papa é contra.
- O Papa nem sempre é Papa.


- Acha que China e U.R.S.S. irão à guerra?
- Não. A guerra é sempre feita entre um que quer e outro que não quer brigar.
- Quando os dois querem, verificam que estão de acordo, e detestam-se em paz.


- E a crise do teatro?
- Cada um leia a peça em casa.


- Os atores ficarão sem trabalho?
- Escreverão peças para leitura em casa.


- Os teatros estão fechando.
- Mas as cervejarias estão abrindo.


- E o Festival do Filme?
- Genial. Vai mostrar aquilo que não se vê mais nos cinemas: filmes.


- Esquadrão da Morte?
- Calma. Se é para liquidar com os bandidos, acabará fuzilando a si mesmo.


- É pela eleição por distrito?
- Sou radical. Por bairro."


- Seu prato predileto?
- Vontade de comer.


- Cor?
- A do vinho  no copo; da luz no mar;dos olhos inteligentes.


- Sua divisa?
- A do meu  apartamento. Em condomínio.


- Pretende reservar passagem para a lua?
- Não aprecio lugares muito  frequentados.


- Que acha do gênero humano?
- Podia ser pior.


- E dos animais?
- Em geral têm muita paciência conosco.


- Que mensagem envia aos telespectadores?
- que mantenham desligados seus receptores.


- Qual, o senhor é impossível!
- Também  acho.




(Do livro: O poder ultra jovem e mais 79 textos em prosa e verso
Ed.José Olímpio1974)

Comentários

  1. Obrigado por lembrar. Se tiver tempo visite o meu mundo para ler postagem semelhante.

    ResponderExcluir
  2. Vim pelo Mundo de K, até este seu mundo tão lindo
    Lembrança delicada.
    Voltarei.

    ResponderExcluir
  3. Kovacs e Lady,

    Agradeço a visita de vocês. Tenham ótimo fim de semana, abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.