quarta-feira, 31 de março de 2010

Prêmio Portugal Telecom 2010

A organização do Prêmio Portugal Telecom 8ª edição os três vencedores: a lista das :


Leite Derramado

Chico Buarque
Cia das Letras



Outra vida

Rodrigo Lacerda
Alfaguara
Páginas: 184
R$39,90 (Liv. Cultura)

Sinopse:Outra vida é o quarto romance do carioca Rodrigo Lacerda. Nele, o escritor, sem abrir mão do humor característico de suas narrativas, busca tratar da vida contemporânea a partir da história de um pequeno núcleo familiar, formado por um homem, uma mulher e sua filha de cinco anos. A ação dramática se passa numa rodoviária, com toda a família esperando a chegada do ônibus que a levará de volta para a cidade litorânea de onde vieram. Será o começo de uma vida nova, depois de um período difícil na cidade grande, quando o marido, funcionário de uma estatal, se meteu numa história de corrupção. Família, questões éticas, destino amoroso incerto: com esses elementos, Lacerda faz um retrato forte da vida brasileira contemporânea. ( do site do Portugal Telecom)


Sobre o autor:
Rodrigo Lacerda nasceu em 1969, no Rio de Janeiro. Publicou os seguintes livros: O mistério do leão Rampante (novela, 1995, prêmio Jabuti e prêmio Certas Palavras de Melhor Romance), A dinâmica das larvas (novela, 1996), Fábulas para o séc. XXI (livro infantil, 1998), Tripé (contos, 1999), Vista do Rio (romance, 2004, finalista dos prêmios Zaffari & Bordon, Portugal Telecom e Jabuti), O fazedor de velhos (romance juvenil, 2008, prêmio de Melhor Livro Juvenil da biblioteca Nacional, prêmio de Melhor Livro Juvenil da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil; incluído no catálogo White Ravens), Outra vida (romance).

Lar

Armando Freitas Filho
Cia das Letras
Páginas: 135
R$35,00(Liv.Cultura)

Sinopse:Em Lar, o poeta carioca Armando Freitas Filho, um dos nomes mais importantes da lírica brasileira, privilegia a memória como elemento central para a construção de seus poemas. A vírgula após o título serve de jogo de possibilidades poéticas: é como se a partir dessa célula inicial (Lar), o poeta parasse, suspendesse a fala, para depois compor a sua lembrança. Como ele mesmo chegou a dizer, este é o seu “Boitempo”, referindo-se ao ciclo de poemas memorialísticos de Carlos Drummond de Andrade. As peças espalhadas retratam a vida do menino oprimida pelo típico universo burguês dos anos 50, no Rio de Janeiro, entre a casa, a escola, a igreja e a praia.
Sobre o autor:
Armando Freitas Filho nasceu no Rio de Janeiro, em 1940. É autor de Palavra, Dual, À mão livre, 3x4 (Prêmio Jabuti de Poesia, 1986), De cor, Números anônimos, Fio terra (Prêmio Alphonsus de Guimaraens da Biblioteca Nacional, 2000), entre outros livros. Reuniu sua obra poética em Máquina de escrever (2003).( do site  do Portugal Telecom)