Pular para o conteúdo principal

O Emblema da Amizade - Jacques Bonnet - VIP 10


Paris, 1582. Um livreiro e toda sua família são assassinados. Na mesma rua do massacre mora o filósofo Giordano Bruno, que se envolve na investigação. Romance policial ambientado no final do Renascimento, 'O Emblema da Amizade' mistura ficção e realidade, suspense e erudição.

O Emblema da Amizade", romance escrito por Jacques Bonnet, se desenrola neste período. A publicação conta a história de um massacre em Paris - um livreiro e toda sua família são assassinados. A chacina ocorre em 1582, numa casa próxima ao hotel, onde mora o protagonista do título, Giordano Bruno.
Para tentar desvendar o crime e achar os culpados, Bruno, um filósofo de pensamento transgressor, inicia uma investigação. Seu raciocínio e intuição o transformam em um detetive privilegiado, capaz de pensar com rapidez e buscar sentido em cada um dos fatos.
A trama policial ambientada no final do Renascimento é também um romance histórico que, usando evocações sensoriais, mostra o período conturbado em que se passa a narrativa. Conflitos religiosos, guerras e genocídios deixam de ser plano de fundo para se apresentarem como um dos principais atrativos da história. (Folha de São Paulo)

O Emblema da Amizade - Jacques Bonnet

Ed. Publifolha

Número de páginas -144


Este livro vai ser oferecido em julho no grupo VIP 10 dda comunidade livro Errante no Orkut

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.