domingo, 5 de outubro de 2008

Realidade Virtual - Fred Matos


     Olegário emudecia e se sentia marginalizado quando no escritório os colegas comentavam os bate-papos virtuais na Internet. Era como se conversassem em uma língua estrangeira sobre um universo que ele não conhecia. Nestes momentos preferia se afastar a deixar que soubessem que ainda ignorava a high-tech. Foi por isso que comprou um microcomputador e ingressou na nova confraria. Não podia prever que aquilo iria mudar sua vida.

     Instalado o aparelho, contratado um provedor de acesso ao ciberespaço, inscreveu-se nas dezenas de listas de discussões indicadas pelos colegas e não demorou a ter participação ativa e cotidiana em encontros on-line para conversar sobre literatura, política,filosofia,e uma infinidade de outros assuntos pelos quais tinha interesse.Quando chegava em casa engolia o jantar com urgência de condenado e corria para o micro. Nos fins de semana recusava-se a sair, apesar dos queixumes dos filhos e de Lívia, sua esposa.

     Um dia se assustou quando percebeu que já clareava, que não sentira o tempo passar e que, insone, teria que ir trabalhar. Sem perceber viciou-se, logo ele, que se orgulhava de nunca se ter rendido ao álcool ou ao fumo. Cogitou controlar-se, estabelecer horário. Nessa noite excedeu apenas dez minutos a hora marcada e, para surpresa da mulher, há muito não visitada, esmerou-se nas carícias preliminares, mas, debilitada pela noite perdida, virou-se para o lado e ferrou em sono profundo imediatamente após o gozo, frustrando-a dos carinhos posteriores a que estava habituada.

     No dia seguinte excedeu o tempo estipulado em meia-hora, mas, após breve cochilo, levantou-se e tornou a ligar o micro. Concluiu que aquela vida era, agora, para ele, mais importante que a vida real, e se entregou de corpo e alma à virtualidade. Em seu benefício diga-se que fez esforços para que Lívia ingressasse também no novo mundo: ofereceu-lhe comprar outro computador e instalar uma nova linha telefônica, assim, ele pensou, poderiam conversar como há muito não faziam. Ela achou um despropósito.

     Varando as madrugadas, ele que se orgulhava da pontualidade, começou a se atrasar para o trabalho e a acumular faltas. Foi despedido. Calculou que o valor recebido na rescisão contratual, somado ao do saque do fundo de garantia e ao montante que tinha em depósitos de poupança, seria suficiente para manter-se por dois anos sem alterar o padrão de consumo da família e não cuidou de procurar um novo emprego. À mulher justificou-se dizendo que depois de 20 anos de trabalho merecia pelo menos seis meses de férias, após o que, com a sua experiência e o bom conceito que gozava no mercado, não teria nenhuma dificuldade para encontrar uma firma que o contratasse. Ela não tinha com o que se preocupar,garantiu-lhe.

     Os seis meses passaram voando e ele dilatou o prazo para um ano. Refez as contas e verificou que, apesar do substancial aumento do custo de telefone, como estava economizando bastante em combustível, vestuário e lazer, as reservas financeiras seriam suficientes para um período maior que o anteriormente calculado.

     No início Lívia acreditava que aquilo era uma fase que mais dia menos dia seria superada: “logo seu pai estará entediado, tenha paciência meu filho” ela consolou Ricardo, o primogênito, carente da companhia do pai, que antes da internet levava-o a todos os jogos do Vitória. Depois, vendo que o marido alheava-se de tudo, sequer dando atenção às ameaças que fazia de abandoná-lo, ela procurou um psicólogo conseguindo que ele viesse à sua casa, já que Olegário só levantava da cadeira para satisfazer as necessidades fisiológicas. Dali não arredava pra mais nada, nem pra comer, nem pra dormir.

     A reação do marido à visita do psicólogo, expulsando-o do seu gabinete com palavras de baixo calão, foi a gota d’água. Olegário não desviou o olhar do monitor, não afastou as mãos do teclado sequer disse qualquer palavra quando, malas nas mãos, Lívia e os filhos vieram avisá-lo que estavam indo embora. O único inconveniente, Olegário pensou, é que agora terei que me levantar até pra beber água.

     Uma semana depois, Leonardo, um colega de virtualidade que morava no mesmo bairro, estranhou que, embora estando on-line no ICQ, Olegário não respondia aos convites para chat. Resolveu fazer uma visita, era uma oportunidade e uma desculpa para conhecer pessoalmente aquele camarada inteligente e espirituoso.Tendo sido informado pelo porteiro que Olegário fora abandonado pela família e que, desde então, ninguém no apartamento atendia o interfone e não abria a porta nem mesmo para se livrar do lixo, Leonardo intuiu uma desgraça e chamou a polícia.

     Olegário foi encontrado desacordado sobre o teclado em estado de inanição profunda. Agora faz fisioterapia para recuperar a atrofia das pernas. Reconciliou-se com Lívia e aceitou passar uma temporada em uma clínica para tratamento de drogados. Já está com uma aparência mais saudável e aguarda ansioso o dia de receber alta, porque tem muitas novidades para contar nos bate-papos virtuais, mas sabe que disto deve manter segredo.

Extraído, com autorização do autor, do livro Melhor Que a Encomenda – Funcultura Bahia 2006.
Leia também: Eu Meu Outro e Anomalias (poesia)

7 comentários:

  1. Creio haver mínimas falhas de digitação, não dou certeza porque não conferi com o texto no livro. Mas nada que comprometa.
    Sinto-me honrado pelo espaço que me é concedido no seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Gostei. Preciso tomar cuidado para não chegar nesse estágio.
    Quem conhece a comunidade do Livro Errante pode entender perfeitamente o que aconteceu com Olegário.
    A sorte é que a comunidade virtual vem acompanhada de leituras e troca-troca de livros para fugir um pouco do computador.

    ResponderExcluir
  3. Reginaaaaaaaaa, olha que honra, vc postou um conto meu no mesmo blog em que postou do Fred Mattos!

    ResponderExcluir
  4. Vou me peneticiar por demorar a passar por aqui ultimamente. Beleza de conto, autor e blog de parabéns. Um conto que mostra liricamente uma ficção que, infelizmente, já acontece. E como tudo que é triste, não deixa de ser cômico "ver" a situação sentada em frente ao monitor à noite depois de 12 horas de trabalho.
    Ps.: Minha cumadi, conto bom é apátrido (ahahhha)!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...