Pular para o conteúdo principal

Passo Fundo- RS capital nacional da literatura


Capital Nacional da Literatura celebra o título com monumento novo

CBL Informa - 31/03/2008

O título de Capital Nacional das Letras recebido pela cidade gaúcha de Passo Fundo em 2006 foi comemorado na última sexta-feira com a inauguração do monumento "Árvore das Letras", na praça Armando Sbeghen.
O marco da capital da literatura abrange um quiosque multimídia com livros, revistas, jornais e acesso à internet disponíveis para o acesso dos usuários. O monumento é uma criação do designer Jéferson Cunha Lorentz e do arquiteto Luís Hofmann, ambos da Universidade de Passo Fundo (UPF), e teve sua execução assinada pelo artista plástico uruguaio Gustavo Nackle. A árvore tem 13,30m de altura e 9,50m de diâmetro total e pesa duas toneladas.
O mérito de Capital Nacional da Literatura foi concedido para a cidade de Passo Fundo pelo fato de a cidade ser sede do maior debate literário e cultural da América Latina, a Jornada de Literatura. A movimentação literária bianual é promovida pela Universidade de Passo Fundo e Prefeitura Municipal de Passo Fundo há 27 anos ininterruptos. Além disso, a cidade possui a
maior média de leitura do Brasil: são 6,5 livros por habitante a cada ano.

Comentários

  1. ...E nenhum Passo-fundense na comunidade Livro Errante. Eu não me conformo.

    ResponderExcluir
  2. Bah!Nem eu... vamos buscá-los!

    ResponderExcluir
  3. Passo Fundo? Eles nunca ouviram falar da gente?

    Quem são eles mesmo?

    Rs...

    Eles acabam entrandona comunidade.

    Beijinhos, Ladyce

    ResponderExcluir
  4. Nós do LivroErrante temos a média de Passo Fundo - 6,5 - por mês.

    Errantes unidos jamais serão vencidos!!

    ResponderExcluir
  5. Eis um passo-fundense, então!
    Já estou entrando em vossa comunidade!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Olá Bruno
    Para quem gosta de ler estará em boa companhia, vc é o primeiro passo fundense mas não o primeiro gaucho; tem vários conterrâneos seus lá. Por sinal ótima gente. Seja bem vindo.

    L.E

    ResponderExcluir
  7. Caro Bruno,
    Vc entrou na comunidade, deve então ter visto que precisa desbloquear seus recados. é por scrap que nos comunicamos e isso acontece com frequencia. visite a comunidade, para inteirar-se do funcionamento, participar, responder enquete...
    obrigada
    L.E

    ResponderExcluir
  8. Eu sou mais um de passo fundo que vai participar... aos poucos seremos muitos...

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde Marco Aurélio,
    Queremos bons leitores sim. Não temos ninguém de sua cidade mas a média de nossos participantes é de fazer inveja.
    Nos procure.
    abraço.
    Regina, do L.E

    ResponderExcluir
  10. Regina, a média é 6,5 por ano? não é por mês?? hehe é que achei estranho, minha média é de 3,25 por mês hehehe...

    Pq não fundamos uma cidade só para erráticos? auhuhauhauha

    Abraços!
    Richardson Nochelli

    ResponderExcluir
  11. Olá Rick, infelizmente não. Não é por mês. A média é de 6,5 livros por ano mesmo.
    Nós da L.E já somos uns estranhos mesmo ....
    beijos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Clínica de Repouso, Dalton Trevisan

Dona Candinha deparou na sala o moço no sofá de veludo e a filha servindo cálice de vinho doce com broinha de fubá mimoso.      Mãezinha, este é o João.      Mais que depressa o tipo de bigodinho foi beijar a mão da velha, que se esquivou à gentileza. O mocinho servia o terceiro cálice, Maria chamou a mãe para a cozinha, pediu-lhe que aceitasse por alguns dias.     Como pensionista?     Não, como hóspede da família. Irmão de uma amiga de infância, sem conhecer ninguém de Curitiba, não podia pagar pensão até conseguir emprego.      Dias mais tarde a velha descobriu que, primeiro, o distinto já estava empregado (colega de repartição de Maria) e, segundo, ainda que dez anos mais moço, era namorado da filha. A situação desmoralizava a velha e comprometia a menina. Dona Candinha discutiu com a filha e depois com o noivo, que achava a seu gosto a combinação.     Sou moço simples, minha senhora. Uma coxinha de frango é o que me basta. Ovo frito na manteiga.