Pular para o conteúdo principal

Um Pedaço De Nós, Natascha Duarte

     Sexta-feira. Marido na capital a trabalho o dia todo. Mulher na cidade pequena à espera dele. Mas não só a esperar. Tem diferença. Ela espera porque quer, porque é bom sentir saudade. Uma sensação de arrebatamento toma conta dela, eles fizeram um plano de vida e estão executando. Arrisca dizer que são felizes.

     Ao mudar para o interior, sabia que as coisas seriam menos superficiais, mas não menos complicadas. É tudo igual, diz. Só que mais rápido porque não tem trânsito. Ou mais devagar porque não tem trânsito. Depende da semântica.
     No trabalho que ela realiza como outra mulher qualquer, ela sente que estaria escrevendo sobre como seria viver no interior, mesmo se não tivesse ido se aventurar. Então, parece ter cumprido seu destino, simples como sempre sonhou, embora não soubesse disso.

     Agora permite ser o que é de verdade e busca a essência das relações e das coisas. A nova perspectiva trouxe árvores no quintal, piso datado na casa antiga, paredes mal pintadas. Mas está ali por escolha, para plantar tomates e tomar suco de frutas do pé. Não quer voltar ao que era. Sua relação com o dinheiro também mudou e o coração está leve que vou te falar...
     À tarde, chuva forte e a força da água esburacando a grama bem em frente à porta de casa, tratou de resolver suas pendências emocionais. Ela não se preocupou em mudar nada. A chuva resolveu suas culpas. Acalmou alter egos nem sempre amigáveis. Ensinou que não se pode controlar tudo, nem o buraco feio no meio do jardim.

     Ela faria tudo de novo, mudaria de novo se fosse pra ser desse jeito. Dar ao homem a retaguarda que ele precisa pra voar enquanto o observa, e às crianças, sua companhia.
     Ao sair da cidade grande com a família, ela não sabia ao certo se foi corajosa deixando o que a afligia, ou se covarde ao não enfrentar o que a perturbava. Não se pergunta as razões, continua na ativa, seja onde for.

     Envolver-se é o que ela faz de melhor e lá está ela, envolvida de novo. São novos amigos, nomes e endereços que ainda não decorou. Sem saber o que a aguardava, a mulher descobriu que envelhecer não é tão ruim assim. Pelo menos na cidadezinha que elegeu sua.

Imagem: Instagran da autora.

Comentários

  1. Livro errante, obrigada por receber um texto meu. É um orgulho para mim vê- lo voar! Uma amiga em comum ajeitou tudo isso, Marilda Romani, uma aglutinadora, rebelde no que deve ser, e amorosa que só ela. Parabéns pelo espaço, Regina. Dá pra ver seu empenho e cuidado. Está lindo! Um beijo! ♥️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço Natascha. Acredite, não teria postado se o texto não valesse a pena, sou bem chatinha. receba meu abraço e bata asas.

      Excluir
  2. Lindo e envolvente, sou leitor e amante de www.nataschaduarte.com.br
    E agora também, de Regina Porto.

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  3. Fugere urbem: um texro que traz a aura do Arcadismo numa roupagem contemporânea e pela visão feminina. Texto envolvente! Parabéns, Natascha Duarte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antônio, obrigada por ler e deixar aqui suas impressões. Esse espaco é mesmo incrível. Estou feliz por participar e mais feliz com suas palavras. Um abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Formiga Boa, Monteiro Lobato

Houve uma jovem cigarra que tinha de chiar ao pé do formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.      Mas o tempo passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados passavam o dia cochilando nas tocas.      A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se foi para o formigueiro. Bateu - tic tic-tic...      Aparece uma formiga friorenta embrulhada num xalinho de paina.      - Que quer? - perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.      - Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu vivo ao relento.      A formiga olhou-a de alto a baixo.      - E que fez durante o bom tempo, que não construiu uma casa?

Era uma vez...Adivinha adivinhão, Luis da Câmara Cascudo

Era uma vez um homem muito sabido, mas infeliz nos negócios. Já estava ficando velho e continuava pobre como Jó. Pensou muito em melhorar sua vida e resolveu sair pelo mundo dizendo-se adivinhão. Dito e feito. arrumou uma trouxa com a roupa e largou-se.      Depois de muito andar, chegou ao palácio de um rei e pediu licença para dormir. Quando estava jantando, o rei lhe disse que o palácio estava cheio de ladrões astuciosos. Vai o homem e se oferece para descobrir tudo, ficando um mês naquela beleza. O rei aceitou.

Vinicius de Moraes e Cecília Meirelles

Esta segunda-feira vem com dois poemas, para ajudar a esclarecer uma confusão feita por alguns internautas, quando Ladyce West publicou no seu blog, Peregrina Cultural, o poema As Borboletas de Vinicius de Moraes.  Em alguns sites e até em livros didáticos a autoria é  dada a Cecília Meirelles.  O blogueira Ladyce está absolutamente certa. O poema é de Vinicius de Moraes e na postagem consta a referência.   Vamos aprender, então?