sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Cademia, Nalise Valença

     "CADEMIA" Academia, amarelinha...não importa o nome. O valor está ou estava naquele brinquedo. Nós, as meninas dos velhos tempos,não perdíamos a oportunidade para disputar a "glória" de ser a melhor nos pulos daquele jogo.
     Havia até brigas quando alguém pisava "na risca"e não passava a vez; mas a alegria da vencedora compensava o cansaço e as arengas.     
    Hoje vi ali numa calçada, riscada com giz,uma academia. Parei para conferir se a forma ainda era a mesma ! Fui longe até minha meninice e me pareceu ver todas as meninas daquele tempo com um carvão nas mãos, já preparadas para riscar nas poucas calçadas da cidade, o nosso jogo predileto.
      Pulei com elas,na imaginação ,para sentir a alegria antiga de ser boa na academia, que, aliás, muitas chamavam "cademia". 
     Não vi ninguém perto de mim e descobri que nos quadros,nas asas e no céu da minha academia, hoje, pulam sentimentos diversos, na busca infinita que a vida apresenta para quem quiser ser campeão,com ou sem academia para jogar. 
     Parei de olhar o desenho da calçada e fui em frente para a vida ou pela vida!!