segunda-feira, 30 de abril de 2018

Passarim, Tom Jobim

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro partiu mas não pegou
Passarinho, me conta, então me diz:
Por que que eu também não fui feliz?
Me diz o que eu faço da paixão?
Que me devora o coração..
Que me devora o coração..
Que me maltrata o coração..
Que me maltrata o coração..

E o mato que é bom, o fogo queimou
Cadê o fogo? A água apagou
E cadê a água? O boi bebeu
Cadê o amor? O gato comeu
E a cinza se espalhou
E a chuva carregou
Cadê meu amor que o vento levou?
(Passarim quis pousar, não deu, voou)

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro feriu mas não matou
Passarinho, me conta, então me diz:
Por que que eu também não fui feliz?
Cadê meu amor, minha canção?
Que me alegrava o coração..
Que me alegrava o coração..
Que iluminava o coração..
Que iluminava a escuridão..

Cadê meu caminho? A água levou
Cadê meu rastro? A chuva apagou
E a minha casa? O rio carregou
E o meu amor me abandonou
Voou, voou, voou
Voou, voou, voou
E passou o tempo e o vento levou

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro feriu mas não matou
Passarinho, me conta então, me diz:
Por que que eu também não fui feliz?
Cadê meu amor, minha canção?
Que me alegrava o coração..
Que me alegrava o coração..
Que iluminava o coração..
Que iluminava a escuridão..
E a luz da manhã? O dia queimou
Cadê o dia? Envelheceu
E a tarde caiu e o sol morreu
E de repente escureceu
E a lua, então, brilhou
Depois sumiu no breu
E ficou tão frio que amanheceu
(Passarim quis pousar, não deu, voou)
Passarim quis pousar não deu
Voou, voou, voou, voou, voou



Imagem: caricaturista William Medeiros
Fontes:Orlando SilveiraLetras  
Ouça a canção clicando aqui.

 

sexta-feira, 27 de abril de 2018

O Tridente, Luis Fernando Veríssimo


     
      Deu o que falar, na praia. Ele um homem maduro (ou"podre", como diria a mulher, quando pediu o divórcio), ela uma menininha. Mas como ele resistiria, se a primeira coisa que a menininha disse para ele foi: - Posso arruinar a sua vida? Não "quer me namorar?", ou "topas?" ou "tem horas aí, tio?", mas: - Posso arruinar a sua vida? Ele teve que pensar muito numa resposta, quase um minuto. No fim só disse: - Arruinar, como? E ela: - A escolha é sua. Paramos por aqui, ou continuamos. Você diz "não" e eu vou embora, ou você diz sim e eu arruíno a sua vida. Ele riu, tentando acertar o tom. Superior, condescendente, tipo "quié isso, garota, eu podia ser o seu pai". Mas saiu forçado. Ela tinha o quê? Dezessete anos. Talvez menos. O biquíni era daqueles amarradinhos do lado. -Arruína, como? - Ruína completa. Escândalo. Você sai de casa. Nós vamos morar juntos. Em um mês ou dois eu provavelmente deixo você. Você vai atrás de mim, dá vexame. Talvez até me mate. Ou eu mato você. Mas pense no que seriam esse mês, ou dois... Ele pensou em dizer "isto é uma brincadeira?" "Pensou em dizer "não faça isso com um velho". Pensou em dizer "por que eu?" Só não pensou em dizer "não", para ela não ir embora. Os olhos dela eram de um castanho esverdeado. Ela insistiu: - E então? Começando quando? - Quando você quiser. Por mim, já começou. Começou no carro dele, àquela tarde mesmo. Foi quando ele notou a pequena tatuagem que ela tinha na parte de dentro da coxa. um tridente. Perguntou o que era aquilo. Ela disse: - Nós todas temos uma igual. - "Nós" quem? Ela apenas sorriu. - Vocês são um clube? Uma irmandade? Uma seita? Ela só sorrindo. - As menininhas que arruínam vidas, é isso? Ela deu uma risada. Depois prendeu a cabeça dele entre suas coxas tostadas. Era impossível ser discreto na praia, às 4 horas da tarde. Foram vistos. Naquela noite a mulher dele já sabia. No dia seguinte toda a praia sabia. Foi o escândalo da temporada. Voltaram para a cidade.

      A mulher pediu divórcio em seguida. Ele não se enxergava, não? A menina podia ser sua filha! Ele foi morar com a menina. Durou pouco mais de um mês. Ele largou o trabalho, largou tudo. Quando não estava com a menina no apartamento estava por perto, controlando a vida dela, louco de medo de ser traído, desconfiando até de entregador de pizza. No fim ela declarou que iria deixá-lo. Quando viu, ele estava no chão, agarrado aos pés dela, implorando para que ela não fosse embora. Ela foi. Pisou na cabeça dele antes de sair. Hoje ele é uma ruína. Não trabalha, bebe, tem problemas circulatórios mas não tem dinheiro para se tratar, uma ruína. Tinha durado pouco mais de um mês. Mas que mês e pouco, pensa ele, às vezes, e sorri com a lembrança. Que mês e pouco. E até hoje ele não sabe o que significa aquele tridente que ela tinha tatuado na parte interior da coxa. Que todas elas têm. Orquídeas dissimuladas

      Ficou combinado que ele apenas conversaria com o dr. Alécio, que além do mais era um amigo. Não seria uma consulta. Ninguém estava sugerindo que ele precisava falar com um psiquiatra. Apenas ter uma conversa com o dr. Alécio, um amigo que, por acaso, era psiquiatra. O dr. Alécio começou dizendo que a mulher dele estava preocupada com ele e que... "E é para estar mesmo " interrompeu ele. E acrescentou: "Eu descobri o jogo delas." - Que jogo? - perguntou o dr. Alécio. - Eu estava lendo um artigo sobre o mimetismo. Sobre a propriedade que têm certos animais e plantas de adquirirem a forma de outros animais e plantas. Você sabia que existe um tipo de orquídea que toma a forma de um inseto, só para ser polinizada pelos outros insetos da mesma espécie, por engano? Sabia? - Não, eu... - É um truque. É um estratagema da orquídea. Ela se aproveita do impulso sexual de outra espécie para reproduzir sua própria espécie. Entende? - Sim, mas o que... - E então olhei para a Olguinha e tive uma revelação. Como uma explosão na minha cabeça. Elas também não são o que parecem ser. - Quem? - As mulheres. São como orquídeas dissimuladas. Tomam a forma de mulher porque sabem que nós desejamos as mulheres, mas só querem o nosso pólen, o nosso sêmen, para reproduzir a sua espécie. - Que espécie? - Aí é que está. Nós não sabemos. Nós nunca saberemos. Só conhecemos a dissimulação. - Toda mulher é outra coisa, imitando mulher? - Por aí. Toda mulher é o estratagema da outra coisa. Um truque, para assegurar a sobrevivência de uma espécie secreta, com a nossa ajuda. - Sei... Quando ele saiu do consultório o dr. Alécio telefonou para a Olguinha, como tinham combinado. Disse que não parecia ser grave, um delírio passageiro com componente paranoico, talvez devido ao estresse, e que tinham acertado mais conversas. Naquela noite, na mesa do jantar, a mulher do dr. Alécio disse: - Alécio, por que você está me olhando desse jeito?

Nota: o blog manteve a grafia original

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Melhor Capa de Revista 2018



A Revista Elle foi a vencedora de 2018 com uma edição que veio com 5 capas. 
Elle foi a premiada do júri técnico


Veja aqui as cinco capas separadamente.

As capas vencedoras do Voto Popular 2018 foram: Revista 4 Rodas, em 1º lugar, Revista Cosmopolitan em 2º lugar e Revista Rolling Stone em 3º lugar.




Fonte: Aner: Associação Nacional de Editores de Revista

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Cansou do Facebook?

  



Cansou da mesmice do Facebook?
Daquelas briguinhas sem sentido? Da disseminação de mentiras?



Já pensou em mudar? Leia aqui.
Leia também: Devemos Parar de ler Notícias No Facebook

segunda-feira, 9 de abril de 2018

O Laço e o Abraço, Maria Beatriz Marinho dos Anjos



Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço…
Uma fita dando voltas.
Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e
pronto: está dado o laço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo
cercado de braço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?
Vai escorregando…
Devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço.
E saem as duas partes, iguais meus pedaços de fita, sem
perder nenhum pedaço.
Então o amor e a amizade são isso…
Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço!


Registrado na Biblioteca Nacional: 568 208 (favor não repassar 

como se fosse de Mario Quintana - PESQUISE wikiquote

Fonte:Recanto das letras

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Qual o Melhor Livro de Autor Brasileiro Que Você Já Leu?

     Vamos ver o que tem de bom na literatura nacional? 
     Eu sei que tem muito livro e autor bons, mas nunca listei nada a respeito aqui. 
     Vamos, então, fazer nossa listinha?  Basta ir ali em comentários e dizer o livro nacional que você mais gostou. Ah, tudo bem, pode ser mais de um.
      Atualizo diariamente.
Eu escolhi dois:

Incidente Em Antares, Érico Veríssimo. Uma história surreal e até divertida.
O Filho Eterno, Cristóvão Tezza.  foi com esse livro impactante que conheci esse autor.  

Ambos os livros foram levados para o cinema.





 Alguns internautas já se manifestaram:

01-O Coronel e o Lobisomem, José Cândido de Carvalho (5.4.18)

02-O Encontro Marcado, Fernando Sabino (5.4.18)*

03-Grande Sertão, Veredas, Guimarães Rosa(5.4.18)***

04-Angustia, Graciliano Ramos(5.4.18)**

05-Fogo Morto, José Lins do Rego(5.4.18)

06-Dom Casmurro,Machado de Assis(5.4.18)**
07-Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis (6.4.18)**
08-O Alienista, Machado de Assis(6.8.18)
09- O Triste fim de Policarpo Quaresma, Lima Barreto(6.8.18)

10-Cemitério dos Vivos, Lima Barreto(7.4.18)

11-Crônica da Casa Assassinada, Lucio Cardoso(7.4.18)

12-Um Defeito de Cor, Ana Maria Gonçalves(7.4.18)

13-Coivara da Memória, Francisco J.C Dantas(7.4.18)

14-Capitães da Areia – Jorge Amado(7.4.18)

15-Mar Morto – Jorge Amado(7.4.18)

16-Branca Bela – Geraldo França de Lima(7.4.18)

17-Alexandre e Outros Heróis, Graciliano Ramos(7.4.18)

18-Terra de Caruaru, José Condé(7.4.18)

19-A Pedra do Reino, Ariano Suassuna (7.4.18)
20 -Quarup,  Antônio Calado
21 -Bar Don Juan, Antônio Calado
22 -Tieta do Agreste, Jorge Amado (28.4.18)
23 - Memorial de Ayres, Machado de Assis (8.5.18)

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Mulher Fenomenal, Maya Angelou



Doodle do Google - abril 2018
Lindas mulheres indagam onde está o meu segredo
Não sou bela nem meu corpo é de modelo
Mas quando começo a lhes contar
Tomam por falso o que revelo

Eu digo,
Está no alcance dos braços,
Na largura dos quadris
No ritmo dos passos
Na curva dos lábios
Eu sou mulher
De um jeito fenomenal
Mulher fenomenal:
Assim sou eu

Quando um recinto adentro,
Tranqüila e segura
E um homem encontro,
Eles podem se levantar
Ou perder a compostura
E pairam ao meu redor,
Como abelhas de candura

Eu digo,
É o fogo nos meus olhos
Os dentes brilhantes,
O gingado da cintura
Os passos vibrantes
Eu sou mulher
De um jeito fenomenal
Mulher fenomenal:
Assim sou eu

Mesmo os homens se perguntam
O que vêem em mim,
Levam tão a sério,
Mas não sabem desvendar
Qual é o meu mistério
Quando lhes conto,
Ainda assim não enxergam

É o arco das costas,
O sol no sorriso,
O balanço dos seios
E a graça no estilo
Eu sou mulher
De um jeito fenomenal
Mulher fenomenal
Assim sou eu

Agora você percebe
Porque não me curvo
Não grito, não me exalto
Nem sou de falar alto
Quando você me vir passar,
Orgulhe-se o seu olhar

Eu digo,
É a batida do meu salto
O balanço do meu cabelo
A palma da minha mão,
A necessidade do meu desvelo,
Porque eu sou mulher
De um jeito fenomenal
Mulher fenomenal:
Assim sou eu.
 
Conheça Maya Angelou clicando aqui.
Livros de Maya Angelou podem ser encontrados aqui.
 
Tradução de Rita Cammarota. In: Esquadros
Nota: tradução feita antes da vigência do acordo ortográfico. 

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Porquinho-da-Índia, Manuel Bandeira