sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

E Se Eu Fosse Presidente?

     - Mãe! Sabe o que  o presidente Obama fez? 
     - Me conta!!
     - Convidou para um almoço na Casa Branca os cinco escritores prediletos dele, bota no blog! 
     - Foi? Algum autor conhecido da gente? 
     - Conheço Zadie Smith, tenho livros dela. Não tem nenhum best seller no Brasil.
     - São todos americanos?
     - Uma é inglesa. Vou te mandar o link...
     - Ai que inveja...
     - Ele é o presidente, não é? Ele pode.. 
     - É... 
    Fui ver o link enviado. Não era uma manchete, um destaque na imprensa. Afinal, o presidente  pode chamar quem bem quiser à Casa Branca. O leitor Barak Obama, que por ser presidente talvez até já conhecesse seus convidados,  reuniu os cinco: Dave Eggers (USA), Colson Whitehead (USA), Zadie Smith (ENG),Barbara Kingsolver (USA) e Junot Diaz (R.DOM).   
     Não conheço nenhum dos prediletos do ex-presidente. Eles também não são dos mais vendidos no Brasil, embora existam edições em português de alguns de seus livros.  
Ah, mas eu queria tanto conversar assim, como Obama fez... Bateu uma invejinha! Que feio!

     - É... Ah e se eu fosse o presidente com quem eu gostaria de almoçar?  Calma, Regina! Não chame todos os embaixadores da África.
  
Bem, meus convidados seriam: 

Vargas Llosa, que considero um escritor diferente a cada livro. 
Do autor peruano recomendo Peixe na Água, hoje só encontrado em sebos. É um livro de memórias. A Festa do Bode e A Guerra do Fim do Mundo  são boas aulas de história. 
Tenho dificuldade em escolher somente um ou dois livros dele. 
Gosto muito de Mário Vargas Llosa, mas atualmente só teria um livro dele para  autografar. 

Será que  Mário Vargas Llosa  é vegetariano? 

Ele viria almoçar comigo se eu fosse presidente e  convidasse? 


Pepetela, (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) de Angola. Ele diz que naturalmente tem forte ligação com o BR porque desde jovem lia autores brasileiros e porque vê muita semelhança entre os dois países.  
De Pepetela, recomendo O Cão e os Caluandas, um livro fininho em que cada capítulo é escrito de uma forma: pode ser um conto, pode ser uma ata.  

Meus Pepetelas estão emprestados, mas se eu fosse presidente e ele viesse almoçar comigo, pegaria os exemplares de volta pra autógrafo. 

Ia aproveitar e pedir uma receita bem típica de seu país.



Loyola Brandão, um contador de histórias como poucos. Neste mês, li dois livros dele. Tem Loyola aqui no no blog. Do escritor  de Araraquara recomendo Solidão no Fundo da Agulha, uma obra de arte: textos muito bons, fotografias feitas exclusivamente para as crônicas e um CD com as músicas citadas nos textos. Ah, quem canta é Rita Gullo, filha de Ignácio de Loyola Brandão.

Meu exemplar está com  dedicatória.  Temos em comum a incapacidade com matemática.

Eliane Brum, uma jornalista sagaz,inteligente  e curiosa. O Olho da Rua, meu primeiro livro da autora, emociona e faz pensar. Lí também A Vida Que Ninguém Vê. No livro Coluna Prestes, o Avesso da Lenda, a gaúcha Eliane Brum buscou saber o que o Cavaleiro da Esperança queria e o que conseguiu. 

Na minha estante, neste momento, só tem Meus Desaconteciementos. Ela autografaria pra minha irmã, dona do livro. Penso que a jornalista continua com as mesmas duvidas sobre Prestes. Eu também.

Para ela precisaria providenciar um mate. Talvez, por causa dela, nós todos acabássemos tomando um chimarrão.


E, por fim,  o jovem autor Márcio Vassallo.  De Filho Para Pai, que eu achei tão lindo que comprei pra Theo meu netinho fofo. 
Vassalo deve ser falante. Eu teria de comprar outros livros dele. O que recomendei não está mais disponível nas livrarias. São obras primas da literatura infantil.


Os convidados de Barak Obama têm livros (português ou inglês) editados no Brasil:  Dave Eggers ,Colson Whitehead,Zadie Smith ,Barbara Kingsolver,Junot Diaz

Imagens: www.coletiva.net;www.walmircultura.com.br;www.elfikurtem.com.br;
www.agenciarif.com.br;www.cartacapital.com.br




Especialista em Comunicação estratégica, Mídias digitais: contrate