segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Poema de Dallas Clayton, tradução/versão: Suzana Valença


VERSÃO EM PORTUGUÊS


Ouvi dizer que o futuro é horripilante

Com robôs que comem corações pulsantes

As pessoas vão se dobrando e caindo

E a Terra, em dias tristes, vai submergindo



E eu ouvi dizer que o futuro já chegou

Por quem fala que conversou

Com Deus, em particular

Sobre juntar gente para guerrear



Ouvi dizer que o futuro é barato

De comprar e vender, colhido e plantado

Para queimar e quebrar e construir e levar

E nem se importar com bagunçar ou guardar



Mas eu acredito que o futuro é feliz

Que devemos ouvir menos o que se diz

E ajudar a curar quem segura nossa mão

E ser uma luz na escuridão


TRADUÇÃO DIRETA



Ouvi dizer que o futuro é sombrio

Com robôs que comem corações pulsantes

As pessoas vão se dobrando e caindo

E a Terra submerge em dias tristes



E eu ouvi dizer que o futuro já chegou

Por pessoas que falam que ouvem

Deus em conversas baixinhas

Sobre reunir todas as ovelhas que lutam



Ouvi dizer que o futuro é barato

De comprar e vender e costurar e rasgar

Para queimar e quebrar e construir e levar

E nem se importar com a bagunça que ficou





Mas eu acredito que o futuro é brilhoso

Que você pode ser a luz

E ajudar a curar a mão que seguramos

E ouvir menos o que falam por aí



Poema original:

I’ve been told the future’s dark

With robots eating beating hearts

As people fold and fall away

And Earth immersed in dismal days



And I’ve been told the future is here

By folks who claim to lend an ear

With god in private quiet talks

Of plans to gather fighting flocks



I’ve been told the future is cheap

To buy and sell and sow and reap

To burn and grind and build and take

And never mind the mess you make



But I believe the future is bright

That you can be the light

And help to heal the hand we hold

And listen less to what we’re told






Sobre Dallas Clayton: é autor / ilustrador de livros infantis. Ele gosta de combinar poeminhas com desenhos de bem coloridos. Às vezes os poemas não fazem sentindo (ou fazem?), parecem bobagem de criança. E, às vezes, os desenhos são monstrinhos. Dallas tem uma página linda no Instagram (https://www.instagram.com/p/BMm0-ubhB6H/?taken-by=dallasclayton) e vende o produtos dele no site (http://store.dallasclayton.com/). A arte dele também pode ser encontrada no meio da rua, feita a giz, só porque sim.