segunda-feira, 11 de abril de 2016

Hai Kai, Paulo Leminski

HAI
Paulo Leminski

       Eis que nasce completo 

e, ao morrer, morre germe,
       o desejo, analfabeto, 
de saber como reger-me,
       ah, saber como me ajeito 
para que eu seja quem fui,
       eis o que nasce perfeito 
e, ao crescer, diminui.

KAI


       Mínimo templo 

para um deus pequeno,
       aqui vos guarda, 
em vez da dor que peno,
       meu extremo anjo de vanguarda.

       De que máscara 

se gaba sua lástima,
       de que vaga 
se vangloria sua história,
       saiba quem saiba.

       A mim me basta 

a sombra que se deixa, 
       o corpo que se afasta.


Veja mais de Paulo Leminski aqui